Educação Empreendedora pela Experiência: O Caso do Festival de Artes Empreendedoras em Itabaiana

Gracyanne Freire de Araujo, Eduardo Davel Paes Barreto Davel

Resumo


O objetivo deste caso para ensino é suscitar uma aprendizagem sobre: a) a importância da educação empreendedora na formação profissional e no ensino superior; b) como formar educadores com sensibilidade e consciência para as necessidades e particularidades do empreendedorismo; e c) como desenvolver uma reflexão crítica sobre as pedagogias da educação empreendedora. O caso retrata a experiência de estudantes de graduação em Administração ao longo de um componente curricular na Universidade Federal de Sergipe voltado para o empreendedorismo cultural. O caso é baseado em uma pesquisa qualitativa (entrevistas, observações e documentos) de quatro componentes curriculares voltados para a educação empreendedora pela experiência ao longo de dois anos. Recorrentemente, professor e estudantes combinam teoria, prática e reflexão, o que provoca uma discussão sobre os desafios pedagógicos e experiencias da educação empreendedora.


Palavras-chave


Educação empreendedora; Empreendedorismo cultural; Ensino-aprendizagem; Pedagogia experiencial

Texto completo:

PDF

Referências


Baumol, W. J. (2010). The microtheory of entrepreneurship. Princeton; Oxford: Princeton University.

Cheung, C.K., & Au, E. (2010). Running a small business by students in a secondary

school: its impact on learning about entrepreneurship. Journal of Entrepreneurship

Education, v. 13, pp. 45-63.

Cope, J., & Watts, G. (2000). Learning by doing – An exploration of experience, critical incidents, and reflection in entrepreneurial learning. International Journal of Entrepreneurial Behaviour & Research, v. 6(3), pp. 104-124.

Davel, E., & Corá, M. A. J. (2016). Empreendedorismo cultural: cultura como discurso, criação e consumo simbólico. Políticas Culturais em Revista, v. 9(1), pp. 363-397.

Dewey, J. (2010). Arte como Experiência. São Paulo: Martins Fontes.

Dewey, J. (1971). Vida e Educação. São Paulo: Edições Melhoramentos.

Ducci, N. P. C., & Teixeira, R. M. (2011). As redes sociais dos empreendedores na formação do capital social: um estudo de casos múltiplos em municípios do norte pioneiro no estado do Paraná. Cadernos EBAPE.BR, v. 9(4), pp. 967-997.

Gartner, W. B., & Vesper, K. H. (1994). Experiments in Entrepreneurship Education: Successes and Failures. Journal of Business Venturing, v. 9, pp. 179-187.

Guimarães, L. O. (2002). Empreendedorismo no currículo dos cursos de Administração: uma análise da organização didático-pedagógica. Revista Economia & Gestão, v. 2(4/5), pp. 78-95.

Hjorth, D. (2011). On provocation, education and entrepreneurship. Entrepreneurship & Regional Development, v. 23(1-2), pp. 49-63.

Kassean, H., Vanevenhoven, J., Liguori, E., & Winkel, D. E. (2015). Entrepreneurship

education: a need for reflection, real-world experience and action. International Journal of Entrepreneurial Behaviour & Research, v. 21(5), pp. 690-708.

Kirzner, I. M. (1979). Perception, opportunity, and profit: studies in the theory of entrepreneurship. Chicago: University of Chicago Press.

Knight, F. H. (2009). Risk, uncertainty and profit. Orlando: Signalman Publishing.

Kolb, D. A. (1984). Experimental learning: experience as the source of learning and development. New Jersey: Prentice-Hall, Englewood Cliffs.

Kozlinska, I. (2011). Contemporary approaches to entrepreneurship education. Journal of Business Managment, v. 4, pp. 205-220.

Krakauer, P. V. C., Santos, S. A., & Almeida, M. I. R. (2017). Teoria da aprendizagem experiencial no ensino de empreendedorismo: um estudo exploratório. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6(1), pp. 101-127.

Lima, E., Hashimoto, M., Melhado, J., & Rocha, R. (2014). Brasil: Em busca de uma Educação Superior em Empreendedorismo de Qualidade. In F. A. P. Gimenez, E. C. Camargo, A. D. L. Moraes; F. Klosowski (Eds.) Educação para o Empreendedorismo. (pp.128-149). Curitiba: Agência de Inovação da UFPR.

McClelland, D. C. (1972). A sociedade competitiva. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura.

Neck, H. M., Neck, C. P., & Murray, E. L. (2018). Entrepreneurship: the practice and mindset. Los Angeles: SAGE.

Pittaway, L., & Cope, J. (2007). Entrepreneurship Education: a systematic review of the evidence. International Small Business Journal, v. 25(5), pp. 479-510.

Schumpeter, J. A. (1991). Comments on a plan for the study of entrepreneurship. In: R. Swedgerg (Ed.), Joseph A. Schumpeter: the economics and sociology of capitalism (pp. 406-428). Princeton: Princeton University.

Silva, J. F., & Pena, R. P. M. (2017). O “BÊ-Á-BÁ” do Ensino em Empreendedorismo: Uma Revisão da Literatura sobre os Métodos e Práticas da Educação Empreendedora. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6(2), pp. 372-401.

Vale, G. M. V. (2014) Empreendedor: Origens, Concepções Teóricas, Dispersão e Integração. Revista de Administração Contemporânea, v. 18(6), pp. 874-891.

Vale, G. M. V., Corrêa, V. S., & Reis, R. F. (2014). Motivações para o Empreendedorismo : Necessidade Versus Oportunidade ? Revista de Administração Contemporânea, v. 18(3), pp. 311-327.

Weber, M. (1958). The protestant ethic and the spirit of capitalism. New York: Charles Scribner’s Son.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v8i1.1053

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1