A Cooperação Entre Redes de Pequenas Empresas: Antecedentes, Etapas e Resultados da Estratégia de Intercooperação

Jorgete Freire de Carvalho, Douglas Wegner, Heron Sergio Moreira Begnis, José Antônio Valle Antunes Júnior

Resumo


A formação de redes interorganizacionais pode ser considerada a primeira onda da cooperação entre pequenas empresas. Recentemente, novo movimento vem tomando forma, por meio de estratégias de intercooperação como parcerias e alianças entre redes de empresas. Com base nesse contexto, o objetivo deste estudo foi compreender os antecedentes, etapas de desenvolvimento e os resultados da formação de uma parceria entre redes de empresas, usando como base a Teoria da Dependência de Recursos. Realizou-se um estudo de caso único com uma rede de supermercados formada a partir da cooperação de oito outras redes, no Estado do Ceará. As evidências apontam para três antecedentes que explicam a opção pela estratégia de intercooperação e quatro principais resultados alcançados por meio dessa estratégia. Além disso, o caso estudado revelou as etapas seguidas pelas redes para implementar a estratégia de intercooperação: identificação e seleção de parceiros, alinhamento de interesses e estabelecimento de compromissos, articulação de estratégia para integração do grupo e a implementação de ajustes e adequações. O estudo contribui para a teoria ao demonstrar como a intercooperação reduz a dependência de recursos das redes de pequenas empresas. Do ponto de vista gerencial, o estudo oferece insights sobre como redes interessadas em cooperar com outras redes podem implementar essa estratégia de consolidação.

Palavras-chave


pequenas empresas; redes de empresas; intercooperação; redes de redes

Texto completo:

PDF

Referências


Aldrich, H. E., & Pfeffer, J. (1976). Environments of organizations. Annual Review of Sociology, 2(1), 79-105.

Balestrin, A., & Verschoore, J. (2016). Redes de Cooperação Empresarial: Estratégias de Gestão na Nova Economia. Porto Alegre, RS: Bookman Editora.

Balestrin, A., Verschoore, J. R., & Reyes Junior, E. (2010). O campo de estudo sobre redes de cooperação interorganizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 14(3), 458-477.

Baraldi, E., Gressetvold, E., & Harrison, D. (2012). Resource interaction in inter-organizational networks: Introduction to the special issue. Journal of Business Research, 65(2), 123–127.

Bardin, L. (1979). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Barringer, B. R., & Harrison, J. S. (2000). Walking a tightrope: Creating value through interorganizational relationships. Journal of Management, 26(3), 367-403.

Braga, M. J. (2010). Redes, alianças estratégicas e intercooperação o caso da cadeia produtiva de carne bovina. Revista Brasileira de Zootecnia, 39, 11-16.

Casciaro, T., & Piskorski, M. J. (2005). Power imbalance, mutual dependence, and constraint absorption: A closer look at resource dependence theory. Administrative Science Quarterly, 50(2), 167-199.

Chassagnon, V. (2014). Consummate cooperation in the network-firm: Theoretical insights and empirical findings. European Management Journal, 32(2), 260–274.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2011). Métodos de pesquisa em administração (10a ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.

Dickson, P. H., & Weaver, K. M. (1997). Environmental determinants and individual-level moderators of alliance use. Academy of Management Journal, 40(2), 404-425.

Drees, J. M., & Heugens, P. P. (2013). Synthesizing and extending resource dependence theory: A meta-analysis. Journal of Management, 39(6), 1666-1698.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of Management Review, 14(4), 532-550.

Emery, F. E., & Trist, E. L. (1965). The causal texture of organizational environments. Human Relations, 18(1), 21-32.

Júnior, I. F., & Teixeira, R. M. (2008). Redes de pequenas empresas: a aplicação de uma tipologia em uma rede de supermercados. Revista de Administração Mackenzie, 8(3), 128-152.

Faria, A. (2007). Uma proposta de framework em gerência estratégica de redes verticais. Revista de Administração Contemporânea, 11(1), 33-54. (p.2)

Flick, U. (2009). Desenho da pesquisa qualitativa (Costa, C. R., Trad.). Porto Alegre, RS: Bookman Artmed.

Franco, M. J. B. (2007). Tipologia de processos de cooperação empresarial: uma investigação empírica sobre o caso português. Revista de Administração Contemporânea, 11(3), 149-176.

Goes, M. C. de. (2011). Cooperativismo de crédito, intercooperação e performance econômica: O Sicredi (Brasil) (Dissertação de Mestrado, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro – UTAD, Vila Real, Portugal). Recuperado de: .

Gomes-Casseres, B. (1994). Group versus group: how alliance networks compete. Harvard Business Review, 72(4), 4.11.

Groß, W. (2003). Strategische Entwicklungsrichtungen für erbundgruppen des Handels. In Dr. Wieselhuber & Partner GmbH (Hrsg.) Erfolg im Handel: Praxis des Kooperationsmanagements. Frankfurt am Main, Alemanha: Deutscher Fachverlag. 47-49.

Gulati, R., & Gargiulo, M. (1999). Where do interorganizational networks come from? 1. American Journal of Sociology, 104(5), 1439-1493.

Gulati, R., & Sytch, M. (2007). Dependence asymmetry and joint dependence in interorganizational relationships: Effects of embeddedness on a manufacturer's performance in procurement relationships. Administrative Science Quarterly, 52(1), 32-69.

Gulati, R., Nohria, N., & Zaheer, A. (2000). Strategic networks. Strategic Management Journal, 21(3), 203-215.

Gray, D. E. (2012). Pesquisa no mundo real (2a ed.). Porto Alegre, RS: Penso.

Hall, R. (1992). The strategic analysis of intangible resources. Strategic Management Journal, 13(2), 135-144.

Håkansson, H., & Snehota, I. (1989). No business is an island: the network concept of business strategy. Scandinavian Journal of Management, 5(3), 187-200.

Harrison, J. S., Hitt, M. A., Hoskisson, R. E., & Ireland, R. D. (2001). Resource complementarity in business combinations: Extending the logic to organizational alliances. Journal of Management, 27(6), 679-690.

Hatani, F., & Mcgaughey, S. L. (2013) Network cohesion in global expansion: An evolutionary view. Journal of World Business, 48 (4), 455-465.

Human, S. E., & Provan, K. G. (1997). An emergent theory of structure and outcomes in small-firm strategic manufacturing networks. Academy of Management Journal, 40(2), 368-403.

Klein, L. L., & Pereira, B. A. D. (2016). The survival of interorganizational networks : a proposal based on resource dependence theory. Revista de Administração do Mackenzie, 17(4), 153–175.

Larson, A. (1992). Network dyads in entrepreneurial settings: A study of the governance of exchange relationships. Administrative Science Quarterly, 37(1), 76-104.

Lawrence, P. R., & Lorsch J. W. (1967). Differentiation and integration in complex organizations. Administrative Science Quarterly, 12(1), 1-47.

Lazerson, M., & Lorenzoni, G. (2014). A transformação dos distritos industriais: como as empresas líderes estão fugindo da prisão da manufatura. In Cropper, S., Ebers, M.,

Huxham, C., & Smith Ring, P. (Eds). Handbook de Relações Interorganizacionais da Oxford. Porto Alegre: Bookman, 29-56.

Lazzarini, S. G., Chaddad, F., & Cook, M. (2001). Integrating supply chain and network analyses: the study of netchains. Journal of Chain and Network Science, 1(1), 7-22.

Lowensberg, D. A. (2010). A “new” view on “traditional” strategic alliances’ formation paradigms. Management Decision, 48(7), 1090–1102.

Naudé, P., Zaefarian, G., Tavani, Z. N., Neghabi, S., & Zaefarian R. (2014) The influence of network effects on SME performance. Industrial Marketing Management, 43(4), 630–641.

O Estado (2012). Redes do CE debatem vendas e crescimento. Disponível em . Acesso em 15 mar. 2015.

Oliver, A. L., & Ebers, M. (1998). Networking Network Studies: An Analysis of Conceptual Configurations in the study of Inter-organizational Relationships. Organization Studies, 19(4), 549–583.

Oliver, C. (1991). Network relations and loss of organizational autonomy. Human Relations, 44(9), 943-961.

Oliver, C. (1990). Determinants of interorganizational relationships: Integration and future directions. Academy of Management Review, 15(2), 241-265.

Oliveira, M. M. de. (2010). Como fazer pesquisa qualitativa (3a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Paiva Júnior, F. G. de., Leão, A. L. M. S., & Mello, S. C. B. de. (2011). Validade e confiabilidade na pesquisa qualitativa em Administração. Ciências da Administração, 13(31), 190-209.

Pfeffer, J. S., & Salancik, G. R. (1978). The external control of organizations: a resource dependence perspective. Stanford, CA: Stanford University Press.

Poletto, C. A., Araújo, M. A., & Mata, W. (2011). Gestão compartilhada de P&D: o caso da Petrobras e a UFRN. Revista de Administração Pública, 45(4), 1095-1117.

Puffal, D. P., & Puffal, C. W. (2014). A evolução do campo de estudos de redes interorganizacionais: uma análise de publicações internacionais das relações entre empresas. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 1(3), 63-86.

Ring, P. S., & Van De Ven, A. H. (1994). Developmental processes of cooperative interorganizational relationships. Academy of Management Review, 19(1), 90-118.

Rossi, G, B., & Póvoa, A. C. S. (2008). Alianças estratégicas em empresas de médio porte: um estudo no setor de automação industrial automobilística no Brasil. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 5(3), 198-2012.

Serviço Brasileiro De Apoio às Micro E Pequenas Empresas (SEBRAE) (2016). Mapeamento das centrais e redes de negócios. Brasília, DF.

Silva, T. N., Gonçalves, W. M., & Dias, M. F. P. (2011). Intercooperação e estilos de negociação em cooperativas produtoras de vinho no Rio Grande do Sul. Organizações Rurais & Agroindustriais, 12(1), 56-70

Soares, W. B., Wegner, D., & Dolci, P. C. (2016). Fusão Como Estratégia de Crescimento de Redes de Cooperação Empresarial: Um Estudo de Caso em uma Rede de Farmácias. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 15(1), 83-96.

Vale, G. M. V., & Lopes, H. E. G. (2010). Cooperação e Alianças: Perspectivas Teóricas e suas Articulações no Contexto do Pensamento Estratégico. Revista de Administração Contemporânea, 14(4), 722-737

Walter, A., Ritter, T., & Gemünden, H. G. (2001). Value creation in buyer–seller relationships: theoretical considerations and empirical results from a supplier’s perspective. Industrial Marketing Management, 30(4), 365-377.

Wegner, D., Alievi, R. M., & Begnis, H. S. M. (2015). The life cycle of small-firm networks: an evaluation of Brazilian business networks. BAR-Brazilian Administration Review, 12(1), 39-62.

Wegner, D., Bortolaso, I. V., & Zonatto, P. A. F. (2016). Small-Firm Networks and strategies for consolidation: evidence from the Brazilian context. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 18(62), p525-544.

Wegner, D., & Padula, A. D. (2012). Quando a cooperação falha: um estudo de caso sobre o fracasso de uma rede interorganizacional. Revista de Administração Mackenzie, 13(1), 145-171.

Wegner, D., & Padula, A. D. (2011). Estratégias de crescimento e a governança de redes horizontais de empresas: o caso da maior rede cooperativa de varejo de alimentos na Alemanha. Revista de Ciências da Administração, 13(30), 220-248.

Wicker, P., Vos, S., Scheerder, J., & Breuer, C. (2013). The link between resource problems and interorganisational relationships: a quantitative study of Western European sport clubs. Managing Leisure, 18(1), 31-45.

Wu, F., & Cavusgil, S. T. (2006). Organizational learning, commitment, and joint value creation in interfirm relationships. Journal of Business Research, v. 59, n. 1, p. 81–89.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre, RS: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v7i1.549

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia