A Contribuição do Empreendedorismo para o Crescimento Econômico dos Estados Brasileiros

Fernanda Maria de Almeida, Josiel Lopes Valadares, Gislaine Aparecida Santana Sediyama

Resumo


Devido às evidentes desigualdades interestaduais e inter-regionais relativas ao desempenho econômico dos estados brasileiros, objetivou-se com este estudo compreender os efeitos do empreendedorismo sobre o crescimento econômico do Brasil e verificar se tais efeitos se diferem entre os estados. Para este fim, estimou-se um modelo por dados em painel dinâmico com o Método dos Momentos Generalizados (GMM) e efeitos fixos com as variáveis “PIB per capita, número de trabalhadores por conta própria, volume de comércio internacional, população, despesas governamentais, analfabetismo e despesas de capital”, dos 26 estados do Brasil mais o Distrito Federal. O período foi de 2001 a 2011, devido à disponibilidade de dados para todas as variáveis. Constatou-se que, seja por inovação ou por promoção de novos negócios, o empreendedorismo é um fator de crescimento econômico, além de ser complementar aos outros fatores determinantes; tem papel semelhante para todos os estados, independente se o estado tem maior ou menor tamanho econômico; e que seus efeitos sobre o crescimento das Unidades da Federação são, no geral, homogêneos e positivos. Assim, conclui-se que no caso dos estados do Brasil, mesmo para os mais pobres, o empreendedorismo mostrou-se favorável ao crescimento econômico. 


Palavras-chave


Empreendedorismo; Crescimento Econômico; Painel Dinâmico.

Texto completo:

PDF

Referências


Acs, Z. J. P., Arenius, M. H., & Minniti, M. (2005). Global Entrepreneurship Monitor: 2004 Executive Report, Babson College and London Business School.

Acs, Z. J. (2006). How is Entrepreneurship Good for Economic Growth? Innovations, 1(1), 97-107.

Acs, Z. J., & Armington, C. (2006). Entrepreneurship, Geography and American Economic Growth. Cambridge, Cambridge University Press.

Arellano, M., & Bover, O. (1995). Another Look at the Instrumental-Variable Estimation of Error-Components Model. Journal of Econometrics, 68(1), 29-52.

Arellano, M. (2003). Panel Data Econometrics: Advanced Texts in Econometrics. Oxford University Press, New York.

Arellano, M., & Bond, S. (1991). Some tests of specification for panel data: Monte Carlo evidence and application to employment equations. The Review of Economic Studies, 58(2), 277-297.

Audretsch, D. B., Keilbach, M. C., & Lehmann, E. E.(2006). Entrepreneurship and Economic Growth. Oxford University Press, New York.

Barros, A. A., & Pereira, C. M. M. A. (2008). Empreendedorismo e crescimento econômico: uma análise empírica. RAC, Curitiba, 12(4), 975-993.

Blundell, R., & Bond, S. (1998). Initial Conditions and Moment Restrictions in Dynamic Panel Data Model. Journal of Econometrics. 87(1), 115-143.

Baltagi, B. H. (2005). Econometric Analysis of Panel Data (3th Edition). Wiley. 293p.

Bittar, F. S. O., Bastos, L. T., Moreira, V. L. (2014). Reflexões sobre o empreendedorismo: uma análise crítica na perspectiva da economia das organizações. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, v. 7, n. 1, p. 65-80, mar.

Boava, D. L. T., Macedo, F. M. F. (2011). Empreendedorismo explicitado à maneira dos filósofos. In: ENCONTRO DE ESTUDOS EM ESTRATÉGIA DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 5., 2011, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: ANPAD, p. 1-18.

Bula, H. O. (2012). Evolution and theories of entrepreneurship: a critical review on the Kenyan perspective. International Journal of Business and Commerce, Lahore, v. 1, n. 11, p. 81-96, July.

Campelli, M.G.R., Filho, N.C., Barbejat, M.E.R.P., Moritz, G. O. (2011). Empreendedorismo no Brasil: situação e tendências. Revista de Ciências da Administração, v. 13, n. 29, p. 112-132, jan/abr 2011

Carree, M. A., & Thurik, A. R. (2010). Handbook of Entrepreneurship Research, International Handbook Series on Entrepreneurship 5, Editores: Acs, Z. J., & Audretsch, D. B. Springer Science+Business Media, LLC.

Diefenbach, F. E. (2011). Entrepreneurship in the public sector: when middle managers create public value. Saint Gallen: Gabler Verlag Wiesbaden, 230 p.

Faia, V. da S., Rosa, M. A. G.; Machado, H. P. V. (2014). Alerta empreendedor e as abordagens causation e effectuation sobre empreendedorismo. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 18, n. 2, p. 196-216, abr.

Filion, L. J. (1999). Diferenças Entre Sistemas Gerenciais De Empreendedores E Operadores De Pequenos Negócios. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 39, n. 4, Out./Dez.

Greene, W. (2008). Econometric analysis (6th ed). New Jersey: Prentice Hall, 1232p.

Global Entrepreneurship Monitor. (2016). Global entrepreneurship monitor. Empreendedorismo no Brasil (Relatório Nacional). Curitiba: Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade, Paraná.

Grosman, G., & Helpman, E. (1990). Comparative advantage and long-run growth. American Economic Review. 80(4), 796-815.

Hart, D. M. (2003). The Emergence of Entrepreneurship Policy: Governance, Start-ups, and Growth in the U.S. Knowledge Economy. Cambridge, Cambridge University Press.

Hévert, R.; Link, A. (1989). In search of the meaning of entrepreneurship. Small Business Economics, Dordrecht, 1, 39-44.

Holcombe, R. G. (1998). Entrepreneurship and economic growth. The Quarterly Journal of Austrian Economics, 1(2), 45-62.

Hsiao, C. (2003). Analysis of Panel Data: Econometric Society Monographs (2a ed.). Cambridge University Press.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estatísticas. Disponível em: . Acesso em: jul. de 2016.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Ipeadata. Disponível em: . Acesso em: jul. de 2016.

Iistake, M. (2003). Comércio externo e interno do Brasil e das suas macrorregiões: um teste do teorema de Heckscher-Ohlin. (Tese Doutorado em Economia Aplicada). Universidade de São Paulo, Piracicaba, Brasil.

Kirzner, I. M. (1973). Competition and Entrepreneurship. Chicago, University of Chicago Press.

Kirzner, I. M. (1979). Perception, opportunity, and profit: studies in the theory of entrepreneurship. Chicago: The University of Chicago Press, 274 p.

Knight, F. H. (1921). Risk, uncertainty and profit. New York: A. M. Kelley, 445 p.

Landström H. (1999). Entreprenörskapets rötter. Student litterateur, Lund.

Leyden, D. P., Link, A. N. (2015). Public Sector Entrepreneurship: U.S. Technology and Innovation Policy. Oxford University Press, 250, p.

Lucas, R. E. (1988). On the mechanics of economic development. Journal of Monetary Economics, 22(1), 3-42.

Machado, H. V. (2008). Introdução. Revista De Administração Mackenzie, v. 9, N. 8, Edição Especial, p. 10-14, nov./dez.

Marques, L. D., (2000). Modelos Dinâmicos com Dados em Painel: Revisão de Literatura [working paper]. Centro de Estudos Macroeconômicos e Previsão, Faculdade de Economia do Porto.

Martes, A. C. B. (2010). Weber e Schumpeter: a ação econômica do empreendedor. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 254-270, abr./jun.

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Estatísticas (MDIC). Disponível em: . Acesso em: jul. de 2016.

Mingoti, S. A. (2005). Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. Editora UFMG, Belo Horizonte, MG, 300p.

Ministério da Fazenda – Tesouro Nacional. Estatísticas. Disponível em: . Acesso em: jul. de 2016.

Nogami, V.K.C., Medeiros, J., Faia, V.S. (2014). Análise da evolução da atividade empreendedora no brasil de acordo com o global entrepreneurship monitor (gem) entre os anos de 2000 e 2013. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 3, n.3, p. 31-76.

Rodriguez, C.; Gimenez, M. (2005). Emprenderismo, acción gubernamental y academia: revisión de la literatura. Innovar, Revista de Ciências Administrativas y Sociales, Bogotá, v. 15, n. 26, p. 73-89, jul./dic.

Romer, P. M. (1990). Endogenous Technological Change. Journal of Political Economy, 98(1), 71-102.

Romer, P. M. (1994). The origins of Endogenous Growth. Journal of Economic Perspectives. 8(1), 3-22.

Sadler, R. J. (2000). Corporate entrepreneurship in the public sector: the dance of the chameleon. Australian Journal of Public Administration, Sydney, v. 59, n. 2, p. 25-43.

Santiago, E. G. (2009). Vertentes teóricas sobre empreendedorismo em Shumpeter, Weber e Mcclelland: novas referências para a sociologia do trabalho. Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 40, n. 2, p. 87-103.

Schumpeter, J. A. (1934). The Theory of Economic Development: An Inquiry into Profits, Capital, Credit, Interest and the Business Cycle. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Schumpeter, J. A. (1984). Capitalismo, socialismo e democracia (S. G. de Paula, Trad.). Rio de Janeiro, Zahar. (Obra original publicada em 1942).

Solow, R. M. (1956). A contribution to the Theory of Economic Growth. Quarterly Journal of Economics. 70(1), 65-94.

Souza, N. J. (2005). Desenvolvimento Econômico (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Swedberg, R. (2000). The social view of entrepreneurship: introduction and theorical applications. In: ______. Entrepreneurship: the social science view. Oxford: Oxford University Press, p. 7-44.

Teixeira, A. M., Borges, C. (2012). Empreendedorismo e Crescimento Econômico: Evidências Empíricas para o Estado de Goiás. In: XXXVI ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 2012, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD.

Anais do EnANPAD. Rio de Janeiro-RJ.

Tang, J., Kacmar, K. M., Busenitz, L. (2012). Entrepreneurial alertness in the pursuit of new opportunities. Journal of Business Venturing, New York, v. 27, n. 1, p. 77-94.

Van Stel, A., Carree, M., & Thurik, R. (2005). The Effect of Entrepreneurial Activity on National Economic Growth. Small Business Economics, 24(3), 311-321.

Agradecimentos

Agradecemos à Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais pelo auxílio financeiro concedido à execução desta pesquisa.




DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v6i3.552

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia