“Meu Pai Ainda Está Aqui, nas Pessoas”: Sentidos Subjetivos Nas Relações de Trabalho em uma Empresa Familiar

Lilia Paula Andrade, Mônica Carvalho Alves Cappelle, Rafaella Cristina Campos, Mozar José de Brito

Resumo


Este estudo tem como objetivo compreender os sentidos subjetivos relacionados ao trabalho na perspectiva dos trabalhadores de uma empresa familiar. Para tanto, utilizou-se a epistemologia qualitativa de Fernando Luis González Rey como abordagem teórico-epistemológica. Quatro entrevistas foram realizadas com os trabalhadores dessa empresa. Os resultados confirmaram a existência de: i) sentidos subjetivos influenciados pela história de vida do fundador da empresa; ii) sentido subjetivo de trabalho como extensão da vida do fundador; iii) sentimento de pertencimento à organização; e iv) ligação estabelecida entre os próprios trabalhadores da empresa. A pesquisa realizada contribui para o entendimento dos pressupostos teóricos dos sentidos subjetivos no trabalho e ajuda na compreensão da lógica de gestão em empresas familiares. O caso evidencia que a subjetividade desenvolve-se em meio a práticas sociais. Dessa maneira, os sentidos subjetivos no trabalho recebem influências de um contexto sócio-histórico e de questões conscientes e inconscientes.


Palavras-chave


Empresa Familiar; Subjetividade; Relações de Trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


Antunes, R. (2005). O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Aygören, H., & Nordqvist, M. (2015). Gender, ethnicity and identity work in the family business. European Journal of International Management, (9) (2), pp. 160-178.

Bauman, Z. (1998). Work, Consumerism and the new poor. Buckingham: Open University Press.

Belmonte, V. A. B., & Freitas, W. R. S. (2013). Empresas familiares e a profissionalização da gestão: estudos de casos em empresas paulistas. Revista de Administração da UFSM, v. 6(1), pp. 71-90.

Bendassolli, P. F., Coelho-Lima, F., Pinheiro, R. A., & Siqueira Gê, P. C. (2015). The Brazilian Scientific Production on Sense and Meaning of Work: Review of Use of Terminology and Current Thematic Classifications. Avances en Psicología Latinoamericana, v. 33(2), pp. 203-221.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2004) A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Editora Vozes.

Carrieri, A. P., & Lopes, F. T. (2012). “O avô constrói, o pai usa e o neto morre de fome”: histórias de família em uma organização. Rege – Revista de Gestão, v. 19(1), pp. 3-20.

Davel, E., & Colbari, A. (2000). Organizações familiares: por uma introdução a sua tradição, contemporaneidade e multidisciplinaridade. Organização & Sociedade, v. 7(18), pp. 45-64.

Ferreira, J. M., & Nogueira, E. S. (2013) Mulheres e Suas Histórias: Razão, Sensibilidade e Subjetividade no Empreendedorismo Feminino. Revista de Administração Contemporânea, v. 17(4), pp. 398-417.

Frezatti, F., Bido, D. S., Mucci, D. M., & Beck, F. (2017). Estágios do ciclo de vida e perfil de empresas familiares brasileiras. Revista de Administração de Empresas, v. 57(6), pp. 601-619.

Garcia, E. C., & Moreira, M. O. M. (2008, setembro). “Somos uma grande família”: o papel do mito da grande família no controle psicossocial por vínculos. Anais do Encontro da Anpad. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 14.

Godoi, C. K., & Mattos, P. L. C. L. (2006). Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: Silva, A. B., Godoi, C. K., & Bandeira-de-Mello, R. (Orgs). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo, SP: Editora Saraiva.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, v. 35(3), pp. 20-29.

Gonçalves, J. S. R. C. (2000). As empresas familiares no Brasil. Revista de Administração de Empresas, v. 7(1), pp. 7-12.

González Rey. F. L. (2007) As categorias de sentido, sentido pessoal e sentido subjetivo: sua evolução e diferenciação na teoria histórico-cultural. Psicologia da Educação, v. 24(1), pp. 155-179.

González Rey. F. L. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo, SP: Editora Thomson Learning.

González Rey. F. L. (2003). Sujeito e Subjetividade:uma aproximação histórico-cultural. São Paulo, SP: Editora Thompson Learning.

Harper, D. (2017). Online Etymology Dictionary. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2017.

Junqueira, A. G. W., Medeiros C. R. G., Schwingel, G., Carreno, I., Saldanha, O. M. F., & Jungles, L. A. P. (2011). Sentido e significado do trabalho para enfermeiros e médicos da estratégia de saúde da família. Estudo & Debate em Gestão e Planejamento, v. 18(2), pp. 23-35.

Leontiev, A. N. (1992). Ecce Homo. Methodological Problems of the activity theoretical approach. Multidisciplinary newsletter for Activity Theory, v. 11(12), pp. 41-44.

Leontiev, A. N. (1978). Actividad, conciencia y personalidad. Buenos Aires: Edição Ciencias del Hombre.

Lescura, C., Brito, M. J., Borges, A. F., & Capelle, M. C. A. (2012). Representações Sociais sobre as Relações de Parentesco: Estudo de Caso em um Grupo Empresarial Familiar. Revista de Administração Contemporânea, v. 16(1), pp. 98-117.

Lopes, F. T., Carrieri, A., & Saraiva, L. A. S. (2013). Relações de Poder e Subjetividade em uma Organização Familiar. Organização &Sociedade, v. 20(65), pp. 225-238.

Lopes, F.T., & Carrieri, A. P. (2010). Fotografias de família pela ótica das sucessoras: um estudo sobre uma organização familiar. Revista de Administração Contemporânea, v. 14(3), pp. 478-494.

Lourenço, C. D. S., & Ferreira, P. A. (2012). Cultura Organizacional e mito fundador: um estudo de caso em uma empresa familiar. Gestão e Regionalidade, v. 28(84), pp. 61-76.

Müller, H. P. (2005). Trabalho, profissão e vocação: o conceito de trabalho em Max Weber. In. Mercure, D., & Spurk, J. (Orgs). O trabalho na história do pensamento ocidental. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Schmidt, M. L. G., Barbosa, W. F., Pinceli, S. C. C, & Lucca, S. R. (2017). Significados e sentidos do trabalho: reflexos para a atuação do médico do trabalho na contemporaneidade. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, v. 7(3), pp. 138-142.

Schweitzer, L., Gonçalves, J., Tolfo, S. R., & Silva, N. (2016). Bases epistemológicas sobre o sentido(s) e significado(s) do trabalho em estudos nacionais. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 16(1), pp. 103-116.

Short, J. C., Sharma, P., Lumpkin, G. T., & Pearson, A. W. (2016). Oh, the Places We’ll go! Reviewing past, present, and future possibilities in family business research. Family Business Review, v. 29(1), pp. 11-16.

Silva, C. R., Gobbi, B. C., & Simão, A. A. (2005) O uso da análise de conteúdo como uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: descrição e aplicação do método. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 7(1), pp. 70-81.

Silva, K. A. T. (2013). A luz “vermelha” no fim do túnel: sentidos subjetivos do trabalho na prostituição. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, Brasil.

Silva, K. A. T. S., & Cappelle, M. C. A. (2013, novembro). A Teoria da Subjetividade e a Epistemologia Qualitativa de Gonzalez Rey como Possibilidade Teórico-Metodológica nos Estudos de Administração. Anais do IV Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade (Enpq). Brasília, DF, Brasil,13.

Silveira, R. Z., & Palassi, M. P. (2011). A vida na fazenda: sentidos subjetivos do servidor fazendário ante a participação no trabalho. Revista de Administração Mackenzie, v. 12(6), pp. 192-223.

Souza, E. O., Maranhão, T. L. G., Leone, N. M. C. P. G., & Oliveira, G. F. (2017). Cultura organizacional em empresa familiar: uma revisão sistemática. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 11(36), pp. 13-37.

Tacca, M. C. V. R., & González Rey, F. L. (2008). Produção de sentido subjetivo: as singularidades dos alunos no processo de aprender. Psicologia Ciência e Profissão, v. 28(1), pp. 138-161.

Tolfo, S. R., & Piccinini, V. (2007). Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia e Sociedade, v. 19(1), pp. 38-46.

Vygotsky, L. S. (1987). “Thinking and Speech”. The Collected Works of L. S. Vygotsky. Nova York: Plenum Press.

Vygotsky, L. S. (1968). Pensamiento y lenguaje. Buenos Aires:Edição Ciencias del Hombre.




DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v7i2.707

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia