Micro e Pequenas Empresas Inovadoras: Evidências em Empresas Paulistanas

Alexandre de Vicente Bittar, Luiz Carlos Di Serio, Marcos Augusto de Vasconcellos

Resumo


Este artigo tem como objetivo compreender as competências de inovação em micro e pequenas empresas. Para tanto foi realizado um estudo de caso múltiplo em seis micro e pequenas empresas paulistanas. As fontes de evidências utilizadas foram análises de documentos e entrevistas semiestruturadas com os gerentes responsáveis pelas ações de inovação nas organizações e o fundador da empresa, presidente ou sócio principal. As entrevistas foram gravadas e os dados foram analisados utilizando-se o Atlas.Ti. Os resultados apontaram que as micro e pequenas empresas possuem elevado potencial de inovação e que consideram a inovação um fator essencial ao alcance da competitividade. As competências de inovação (liderança e estratégia, meio inovador interno, pessoas, processos de inovação e resultados das inovações) mostraram-se expressivas para compreender a inovação nessas empresas. Entretanto, essas empresas possuem dificuldades para planejar as atividades de inovação, obter recursos necessários à inovação e transformar os fatores de inovação em resultados de inovação.


Palavras-chave


Inovação; Competências de Inovação; Micro e Pequenas Empresas.

Texto completo:

PDF

Referências


Bao, Y., Chen, X., & Zhou, K. Z. (2012). External learning, market dynamics, and radical innovation: Evidence from China's high-tech firms. Journal of Business Research, v. 65, pp. 1226-1233.

Baraldi, A., Vasconcellos, M. A., Di Serio, L. C., Pereira, S. M. S., & Prim, A. L. (2016). Competências da organização inovadora: um estudo em empresas do Instituto Paulista de Excelência da Gestão e da Fundação Nacional da Qualidade. Revista Alcance – Eletrônica, v. 23, n. 3, jul/set.

Barbieri, J. C. (2003). Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. RJ: Editora da FGV.

Barbieri, J. C., & Álvares, A. C. T. (2002). Meio inovador empresarial: conceitos, modelos e casos. Revista IMES Administração, v. 56.

Barkhatov, V., Pletnev, D., & Campa, A. (2016). Key Success Factors and Barriers for Small Businesses: Comparative Analysis. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 221, pp. 29-38.

Börjesson, S., & Löfsten, H. (2012). Capabilities for innovation in small firms–a study of 131 high-tech firms and their relation to performance. International Journal of Business Innovation and Research, v. 6(2), pp. 149-176.

Christensen, C. M. (1997). The innovator’s dilema. Harvard Business School Press.

Crossan, M. M., & Apaydin, M. (2010). A multi‐dimensional framework of organizational innovation: A systematic review of the literature. Journal of management studies, v. 47(6), pp. 1154-1191.

De Massis, A., Kotlar, J., Chua, J. H., & Chrisman, J. J. (2014). Ability and willingness as sufficiency conditions for family‐oriented particularistic behavior: implications for theory and empirical studies. Journal of Small Business Management, v. 52(2), pp. 344-364.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of Management Review, v. 14(4), pp. 532-550.

Forsman, H. (2011). Innovation capacity and innovation development in small enterprises. A comparison between the manufacturing and service sectors. Research Policy, v. 40(5), pp. 739-750.

Forsman, H. (2009). Improving innovation capabilities of small enterprises: cluster strategy as a tool. International Journal of Innovation Management, v. 13(02), pp. 221-243.

Forsman, H., 2008. Business development success in SMEs. A case study approach. Journal of Small Business and Enterprise Development. v. 15(3), pp. 606–622.

Fórum de Inovação da Fundação Getúlio Vargas (2014). Modelo de diagnóstico da organização inovadora. Rio de Janeiro: FGV.

Hamel, G., & Prahalad, C. K. (1994). Competing for the Future. Harvard Business School: Boston.

Hall, J., Bachor, V., & Matos, S. (2014). The impact of stakeholder heterogeneity on risk perceptions in technological innovation. Technovation, v. 34(8), pp. 410-419.

Heavey, C., & Simsek, Z. (2013). Top management compositional effects on corporate entrepreneurship: The moderating role of perceived technological uncertainty. Journal of Product Innovation Management, v. 30(5), pp. 837-855.

Mirzanti, I. R., Simatupang, T. M., & Larso, D. (2015). Mapping on Entrepreneurship Policy in Indonesia. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 169, pp. 346-353.

Parida, V., Oghazi, P., & Cedergren, S. (2016). A study of how ICT capabilities can influence dynamic capabilities. Journal of Enterprise Information Management, v. 29(2), pp. 179-201.

Pereira, M. F., Grapeggia, M., Emmendoerfer, M. L., & Três, D. L. (2009). Fatores de inovação para a sobrevivência das micro e pequenas empresas no Brasil. Revista de Administração e Inovação, v. 6(1), pp. 50-65.

Pinheiro, R. G., Romeiro, M. C., Faria, A. C., & Santos, I. C. (2014). A inovação em micro e pequenas empresas (MPE) do setor de serviços em São Caetano do Sul (SP). VIII Encontro de Estudos em Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas – EGEPE.

Quandt, C. O., Silva, H. D. F. N., Ferraresi, A. A., & Frega, J. R. (2014). Programas de gestão de ideias e inovação: as práticas das grandes empresas na região sul do Brasil. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 3, pp. 176-199.

Ramos, A., & Zilber, S. N. (2015). O impacto do investimento na capacidade inovadora da empresa. Revista de Administração e Inovação, v. 12, n. 1.

Schumpeter, J. (1982). A Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo Econômico. Ed. Abril S.A. Cultural e Industrial: São Paulo.

Sebrae (org.) (2017). Anuário do trabalho nos pequenos negócios: 2015. 8.ed. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas; Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos [responsável pela elaboração da pesquisa, dos textos, tabelas, gráficos e mapas]. Brasília, DF: DIEESE.

Sebrae (2015). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2014-2015. 6. ed. elaboração da pesquisa, dos textos, tabelas e gráficos. Brasília: DIEESE.

Silva, G., & Dacorso, A. L. R. (2014). Riscos e incertezas na decisão de inovar das micro e pequenas empresas. Revista de Administração Mackenzie, v. 15(4), p. 229.

Silva, G., & Dacorso, A. L. R. (2013) Inovação Aberta como uma Vantagem Competitiva para a Micro e Pequena Empresa. Revista de Administração e Inovação, v. 10, pp. 251-268.

Silva, G., Dacorso, A. L. R., Costa, V. B., & Serio, L. C. D. (2016). Relationships and Partnerships in Small Companies: Strengthening the Business through External Agents. Brazilian Administration Review, v. 13(1), pp. 1-18.

Tang, H. K. (1998). An Integrative model of innovation in Organizations. Technovation, v. 18, n. 5, pp. 297-309.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Vasconcellos, M. A. (1997). Excelência e Humanização da Produção. Monografia para acesso ao nível de professor titular. SP: FGV-EAESP.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v7i3.729

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia