Fomento ao Empreendedorismo para Deficientes no Estado de São Paulo

Marco Antônio Ramos, Patricia Viveiros de Castro Krakauer

Resumo


O país passa por um momento de desigualdade social e altos índices de desemprego, no O país passa por um momento de desigualdade social e altos índices de desemprego. Assim, começar um novo negócio passou a ser uma opção para muitas pessoas. Contudo, ainda são poucas as iniciativas voltadas ao fomento do empreendedorismo entre portadores de deficiência, a despeito do número elevado de pessoas com essa condição no país. Desta forma, o presente estudo buscou respostas para entender como as instituições de fomento podem estimular pessoas com deficiência a empreenderem, tendo como objetivo propor diretrizes para estimular o empreendedorismo entre pessoas com deficiência no Estado de São Paulo. Tal proposta teve como base dados secundários e primários. Trata-se de um estudo de natureza exploratória com abordagem qualitativa. A coleta de dados primários foi realizada através de entrevistas com representantes de instituições de fomento ao empreendedorismo e pessoas com deficiência que pretendem empreender. Os principais resultados obtidos com a análise da narrativa mostraram a importância de se criar ações para pessoas com deficiência, apresentando vantagens e desvantagens em se ter um programa específico para esse fim. O estudo contribuiu para um melhor entendimento sobre as ações que são oferecidas para fomentar o empreendedorismo para as pessoas com deficiência e também ao propor diretrizes que possam auxiliar nesse processo, almejando que o empreendedorismo possa ser uma opção de inserção profissional para pessoas com deficiência. Acredita-se que tais diretrizes possam ser aplicadas em programas de instituições que tenham como objetivo fomentar o empreendedorismo, voltando esforços também para o grupo de pessoas com deficiência.


Palavras-chave


Empreendedorismo; Pessoas com Deficiência; Instituições de Fomento

Texto completo:

PDF

Referências


Barboza, R. A. B., Fonseca, S. A., & Ramalheiro, G. C. F. (2017). O papel das políticas públicas para potencializar a inovação em pequenas empresas de base tradicional. REGE, Revista de Gestão, 24(1), pp. 58–71.

Barboza, R. A. B., Fonseca, S. A., & Ramalheiro, G. C. F. (2015). Inovação em micro e pequenas empresas por meio do Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas. RAI, Revista de Administração e Inovação, 12(3), pp. 329–349.

Bessant, J., & Tidd, J. (2009). Inovação e empreendedorismo: administração. Porto Alegre, Bookman.

Buntat, Y., Roslan, W. N. W., Ibrahim, N., Salleh, L. M., & Ahmad, A. A. (2016). Challenges of Entrepreneurship Education for Disabled People. Advanced Science Letters, 22(12), pp. 4355-4358.

Castro, T. G., & Gomes, W. B. (2011). Aplicações do método fenomenológico à pesquisa em psicologia: tradições e tendências. Estudos de psicologia, 28(2), pp. 153-161.

Cope, J. (2005). Researching entrepreneurship through phenomenological inquiry: philosophical and methodological issues. International Small Business Journal, 23(2), pp.163-189.

Crestana, S., Durante, J. C., & Hassan, A. A. (2009). ABC da sala do empreendedor: como simplificar a abertura e facilitar a vida das micro e pequenas empresas do seu município. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. de 2018.

CRID - Centro de Reabilitação e Integração de Deficientes. (2017). Disponível em: . Acesso em: 13 abr. de 2017.

Doh, S., & Kim, B. (2014). Government support for SME innovations in the regional industries: the case of government financial support program in South Korea. Research Policy, 43(9), pp.1557–1569.

Drucker, P. F. (2000). Inovação e espírito empreendedor. São Paulo: Cengage Learning.

Frate, F., Souza, P. C. M., & Coimbra, V. S. (2015). A percepção do deficiente físico sobre a inclusão no mercado de trabalho. Revista FATEC. Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios, 2(3), p. 105-119.

GEM. Global Entrepreneurship Monitor. (2016). Global Report 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. de 2018.

GEM. Global Entrepreneurship Monitor. (2017). Global Report 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. de 2018.

Gil, A. C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, M. V. P., Alves, M. A., & Fernandes, R. J. R. (2013). Políticas públicas de fomento ao empreendedorismo e às micro e pequenas empresas. São Paulo: Programa Gestão Pública e Cidadania.

IBGE. (2012). Cartilha do Censo 2010. Pessoas com deficiência. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. de 2016.

Kitching, J. (2014). Entrepreneurship and self-employment by people with disabilities. Background Paper for OECD Project on Inclusive Entrepreneurship. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. de 2017.

Macedo, F. M. F., Ichikawa, E. Y., & Boava, D. L. T. (2012). O esquema típico‐ideal na pesquisa em empreendedorismo. Revista Pesquisa & Debate, 23(2), pp. 181-201.

Mattar, F. N. (2007). Pesquisa de Marketing. 4. ed. São Paulo: Atlas.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2017) Resolução 196 de 10 de Outubro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. de 2017.

Muylaert, C. J., Sarubbi Júnior, V., Gallo, P. R., Rolim Neto, M. L., & Reis, A. O. A. (2014). Entrevistas narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(spe2), pp. 184-189.

Neri, M., Carvalho, A. P., & Costilla, H. G. (2002). Políticas de cotas e inclusão trabalhista de pessoas com deficiência. Ensaios Econômicos da EPGE/FGV, Rio de Janeiro, n. 462. Disponível em:

. Acesso em: 23 jun. de 2016.

Oliveira, M. A. (1995). Valeu! Passos na trajetória de um empreendedor. São Paulo: Nobel.

Oliveira, M. A., Goulart Júnior, E., & Fernandes, J. M. (2009). Pessoas com deficiência no mercado de trabalho: considerações sobre políticas públicas nos Estados Unidos, União Europeia e Brasil. Revista Brasileira de Educação Especial, 15(2), pp. 219-232.

Pagán, R. (2009). Self-employment among people with disabilities: Evidence for Europe. Disability & Society, 24(2), pp. 217–229.

Renko, M., Harris, S. P., & Caldwell, K. (2016). Entrepreneurial entry by people with disabilities. International Small Business Journal, 34(5), pp. 555–578.

Ribeiro, M. A., & Carneiro, R. (2009). A inclusão indesejada: as empresas brasileiras face à lei de cotas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Organização & Sociedade, 16(50), pp. 545-564.

Roni, N. N., & Ribm, M.M.U. (2009). Disabled Entrepreneurship: A viable route of opportunity for the disabled? MMUBS Doctoral Symposium. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. de 2016.

Sarfati, G. (2013). Estágios de desenvolvimento econômico e políticas públicas de empreendedorismo e de micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) em perspectiva comparada: os casos do Brasil, do Canadá, do Chile, da Irlanda e da Itália. Revista de Administração Pública, 47(1), pp. 25-48.

SEBRAE. (2013). Empreendedores com deficiência no Estado de São Paulo. São Paulo: Sebrae-SP. Disponível em:

. Acesso em: 13 mar. de 2018.

SEBRAE. (2016). Panorama das MPEs paulistas. Disponível em: . Acesso em: 05 mai. de 2016.

SEBRAE (2017). Relatório Especial: Empreendedorismo e o mercado de trabalho. Disponível em:

. Acesso em: 13 mar. de 2018.

Silva, A. B. (2006). A fenomenologia como método de pesquisa em estudos organizacionais. In: Godoi, C. K., Bandeira-de-Mello, R. B., & Silva, A. B. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, p. 267-297.

Shane, S., & Venkataraman, S. (2000). The promise of entrepreneurship as a field of research. Academy of management review, 25(1), pp. 217-226.

Shier, M., Graham, J. R., & Jones, M. E. (2009). Barriers to employment as experienced by disabled people: a qualitative analysis in Calgary and Regina, Canada. Disability & Society, 24:1, pp. 63-75.

Teixeira, E. B. (2003). A análise de dados na pesquisa científica: importância e desafios em estudos organizacionais. Desenvolvimento em questão, 1(2), pp. 177-201.

Veiga, L., & Gondim, S. M. G. (2001). A utilização de métodos qualitativos na ciência política e no marketing político. Opinião Pública, 7(1), pp. 1-15.

Walliman, N. (2015). Métodos de pesquisa. São Paulo: Saraiva. 192 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v7i1.759

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia