Inovação e Capacidades Dinâmicas: As Relações entre as Múltiplas Inovações e as Capacidades de Detecção, Captura e Reconfiguração nas Academias Fitness

Mariama Saskya Araújo da Silva, Miler Franco D'anjour, Bruno Campelo Medeiros, Miguel Eduardo Moreno Añez

Resumo


Em ambientes de mudanças, as capacidades dinâmicas tornaram-se fonte de vantagem competitiva para as organizações. Com a inovação associada a contextos de incertezas e transformações, o desenvolvimento de capacidades dinâmicas pelas empresas que buscam inovar passa a ser fundamental na busca por diferenciais competitivos. Nesse contexto, o presente artigo tem como objetivo compreender as relações entre as múltiplas dimensões da inovação e as capacidades dinâmicas em MPEs do segmento de academias fitness na cidade de Natal/RN. Para compreender essa relação, a pesquisa teve como marco teórico os modelos das capacidades dinâmicas de detecção, captura e reconfiguração, bem como o Radar da Inovação. O estudo consiste em uma pesquisa qualitativa, de caráter descritivo, desenvolvida com 15 academias atuantes na cidade de Natal/RN. Como resultado, foi possível notar que as múltiplas inovações desenvolvidas nos ciclos 0 e 1 do Programa ALI pelas academias estudadas refletem no desenvolvimento das capacidades dinâmicas de detecção, captura e reconfiguração. Foi possível, ainda observar que a variabilidade nos graus das múltiplas dimensões da inovação nas organizações pesquisadas são resultantes da influência do dinamismo do ambiente sobre os recursos, habilidades, competências e conhecimentos organizacionais, sendo esses critérios de distinção entre as organizações e de formação de vantagens competitivas. De forma conclusiva, foi possível identificar a aderência teórica entre os modelos do Radar da Inovação e das capacidades dinâmicas, o que permite que este estudo contribua nas discussões sobre inovação e formação de capacidades dinâmicas.


Palavras-chave


Capacidades Dinâmicas; Inovação; Detecção; Captura; Reconfiguração

Texto completo:

PDF

Referências


ACAD. Associação Brasileira de Academias (2017). Relatório global IHRSA: Fitness cresce no mundo e Brasil ainda sofre com crise econômica. Revista Acad Brasil, v. 18(3), pp. 10-21.

Andreeva, T. E., & Chayka, V. A. (2006). Dynamic capabilities: What they need to be dynamic? St. Petersburg: Institute of Management, St. Petersburg State University.

Bachmann, D. L., & Destefani, J. H. (2008). Metodologia para estimar o grau de inovação nas MPE: cultura do empreendedorismo e inovação. Curitiba: Bachmann & ¬Associados. Disponível em:

. Acesso em: 25 out. 2017.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barney, J. B. (1986). Organizational culture: can it be a source of sustained competitive advantage? The Academy of Management Review, v. 11(3), pp. 656-665.

Barney, J. B., Ketchen Jr., D. J., & Wright, M. (2011). The future of resource-based theory: revitalization or decline? Journal of management, v. 37(5), pp. 1299-1315.

Bessant, J., & Tidd, J. (2009). Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

Capeleiro, M. C. C., & Araújo, R. M. (2013). Análise sobre a dimensão oferta no contexto inovação dentro do setor de estruturas pré-moldadas na grande natal. REVISTA REUNIR, v. 3(2), pp. 39-65.

Carvalho, G. D. G., Silva, W. V., Póvoa, Â. C. S., & Carvalho, H. G. (2015). Radar da inovação como ferramenta para o alcance de vantagem competitiva para micro e pequenas empresas. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 12(4), pp. 162-186.

Chen, J., & Sawhney, M. (2010). Defining and measuring business innovation: The innovation radar. Kellogg School of Management working paper. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Jiyao_Chen/publication/308174360_Defining_and_Measuring_Business_Innovation_The_Innovation_Radar/links/57dc608c08ae72d72ea690f2/Defining-and-Measuring-Business-Innovation-The-Innovation-Radar. Acesso em: 22 jan. 2018

Chen, J., Sawhney, M., & Neubaum, D. O. (2013) Customer-Oriented Innovation and Firm Performance. Social Science Research Network. Disponível em: https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/44802335/Customer-Oriented_Innovation_and_Firm_Pe2016041625321y1f313.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1516908721&Signature=5Pvf%2FN2BiJe5NrpVJ%2BEPvFtujQs%3D&responsecontentdisposition=inline%3B%20filename%3DCustomerOriented_Innovation_and_Firm_Pe.pdf.>. Acesso em: 22 jan. 2018.

Christensen, C. (2001). O dilema da inovação. São Paulo: Makron Books.

Collis, D. J. (1994). Research note: how valuable are organizational capabilities? Strategic Management Journal, v. 15 (Suppl.), pp. 143-152. doi: 10.1002/smj.4250150910

Drucker, P. (1986). Innovation and Entrepreneurship: Practice and Principles. New York: Harper & How – NY.

Ellonen, H. K., Jantunen, A., & Kuivalainen, O. (2011). The role of dynamic capabilities in developing innovation-related capabilities. International Journal of Innovation Management, v. 15(03), pp. 459-478.

Eisenhardt, K. M., & Martin, J. A. (2000). Dynamic capabilities: what are they? Strategic management journal, v. 21, pp. 1105-1121.

Everton Junior, A. (2017). MPE: avanços importantes para as micro e pequenas empresas 2017-2018. Rio de Janeiro: Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Feitoza, R. A. A., & Teixeira, R. M. (2015). Inovação na Pequena Empresa: Mapeamento da produção científica internacional e nacional no período de 2000 a 2014. Revista da Micro e pequena empresa, v. 9(1), pp. 90-102.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

Gonçalves Filho, C., Veit, M. R., & Monteiro, P. R. R. (2013). Inovação, estratégia, orientação para o mercado e empreendedorismo: identificação de clusters de empresas e teste de modelo de predição do desempenho nos negócios. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 10(2), pp. 81-101.

Gibbs, G. (2009). Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Bookman.

Hamel, G., & Prahalad, C. K. (1995). Competindo pelo futuro. 10. ed. Rio de Janeiro: Editora Campus.

Helfat, C., Finkelstein, S., Mitchell, W., Peteraf, M., Singh, H., Teece, D., & Winter, S. (2007). Dynamic capabilities: understanding strategic change in organizations. Malden, MA: Blackwell Publishing.

Leavy, B. (2013). Rita McGrath explores the risks and opportunities of the transient-advantage economy. Strategy & Leadership, v. 41(4), pp. 10-16.

Lee, H., & Kelley, D. (2008). Building dynamic capabilities for innovation: an exploratory study of key management practices. R&d Management, v. 38(2), pp. 155-168.

Mcgrath, R. G. (2013). The end of competitive advantage: How to keep your strategy moving as fast as your business. Harvard Business Review Press.

Meirelles, D. S., & Camargo, Á. A. B. (2014). Capacidades Dinâmicas: o que são e como identificá-las? RAC-Revista de Administração Contemporânea, v. 18 (ed. esp.), pp. 41-64.

Moreira, D. A., & Queiroz, A. C. (2007) Inovação: conceitos fundamentais. In Moreira, D. A., & Queiroz, A. C. Inovação Organizacional e Tecnológica. São Paulo: Thomson Learning. pp. 1-20.

Nelson, R. R., & Winter, S. G. (1982). An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Belknap Press.

Ngo, L. V., & O'cass, A. (2013). Innovation and business success: The mediating role of customer participation. Journal of Business Research, v. 66(8), pp. 1134-1142.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2006). Manual de Oslo: Proposta de Diretrizes para a Coleta e Interpretação de dados sobre Inovação Tecnológica. (3. ed.).

Oliveira, M. R. G., Cavalcanti, A. M., Paiva Júnior, F. G., & Marques, D. B. (2014). Mensurando a inovação por meio do grau de inovação setorial e do característico setorial de inovação. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 11(1), pp. 114-137.

Paredes, B. J. B., Santana, G. A., Cunha, T. N., & Aquino, J. T. (2015). Uma análise intrassetorial e intersetorial do grau de inovação de empresas de pequeno porte do estado de Pernambuco. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 12(4), pp. 140-161.

Penrose, E. (2006). Teoria do crescimento da firma. Campinas: Unicamp.

Prahalad, C. K., & Ramaswamy, V. (2004). O futuro da competição: como desenvolver diferenciais inovadores em parceria com clientes. Rio de Janeiro: Campus.

Sawhney, M., Wolcotr, R., & Arroniz, I. (2006). The 12 Different Ways for Companies to Innovate. MIT Sloan Management Review. v. 47(3), pp. 75­81.

Schumpeter, J. A. (1934). The theory of economic development: an inquiry into profits, capital, credit, interest and business cycle. Cambridge, MA, EUA: Harvard University Pres.

Schumpeter, J. A. (1942). Capitalism, socialism, and democracy. New York: Harper.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2015). Relatório executivo: participação das micro e pequenas empresas na economia brasileira. Brasília: SEBRAE.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2013). Programa ALI ajuda a implantar práticas inovadoras gratuitamente no seu negócio. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2017

Silva Néto, A. T., & Teixeira, R. M. (2014). Inovação de micro e pequenas empresas: mensuração do grau de inovação de empresas participantes do Projeto Agentes Locais de Inovação. BBR-Brazilian Business Review, v. 11(4), pp. 1-29.

Silva Néto, A. T., & Teixeira, R. M. (2011). Mensuração do grau de inovação de micro e pequenas empresas: estudo em empresas da cadeia têxtil-confecção em Sergipe. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 8(3), pp. 205-229.

Simões, L. C., Oliveira, M. A. C., Mendes, D. R. F., & Pinheiro, A. A. (2015). Radar da inovação: um estudo de caso das prestadoras de serviço de Brasília/DF. REGEPE - Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 4(2), pp. 133-152.

Teece, D. J., Pisano, G., & Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic management journal, pp. 509-533.

Teece, D. J. (2007). Explicating dynamic capabilities: the nature and microfoundations of (sustainable) enterprise performance. Strategic management journal, v. 28(13), pp. 1319-1350.

Theriou, N. G., Aggelidis, V., & Theriou, G. N. (2009). A theoretical framework contrasting the resource-based perspective and the knowledge-based view. European Research Studies, v. 12(3), p. 177.

Ukko, J., & Saunila, M. (2013). The role of reflection in facilitating and assessing innovativeness. Journal of Technology Management & Innovation, v. 8(4), p. 170-176.

Vergara, S. C. (2011). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. (13. ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Vieira, M. M. F. (2004). Por uma boa pesquisa (qualitativa) em administração. In: Vieira, M. M. F., & Zouain, D. M (Org.). Pesquisa qualitativa em administração. (pp. 223). Rio de Janeiro: FGV.

Wernerfelt, B. (1984). A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5(2), pp. 171-180.

Zahra, S. A., Sapienza, H. J., & Davidsson, P. (2006). Entrepreneurship and dynamic capabilities: A review, model and research agenda. Journal of Management studies, v. 43(4), pp. 917-955.

Zaltman, G., Duncan, R., & Holbeck, J. (1973). Innovation and organizations. New York: Wiley.

Zollo, M., & Winter, S. G. (2002). Deliberate learning and the evolution of dynamic capabilities. Organization science, v. 13(3), pp. 339-351.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v8i1.827

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia