A Prática Estratégica de Pesquisa de Mercado no Processo de Internacionalização de uma Pequena Cervejaria do Sul do Brasil

Christiane Ferreira Bellucci, Rosalia Barbosa Lavarda, Carla Regina Magagnin Roczanski

Resumo


O objetivo deste estudo foi compreender como ocorre a integração entre os níveis intra e extraorganizacionais na prática estratégica de pesquisa de mercado no processo de internacionalização, considerando o diagrama de Whittington (2006). Foi adotada a metodologia qualitativa por meio do estudo de caso único. A seleção do caso ocorreu de forma não aleatória, por acessibilidade e intencional pelo fenômeno que se buscou analisar. Foi selecionada uma empresa do ramo cervejeiro localizada em Santa Catarina (SC), sul do Brasil, que contratou um serviço de consultoria para inserir-se no mercado internacional. As técnicas de coleta de dados incluíram entrevista semiestruturada, análise documental e observação direta, assegurando a triangulação para a interpretação dos dados. Os dados foram analisados por meio da análise da narrativa e técnica pattern matching. Os resultados confirmam que a integração entre os níveis intra e extraorganizacionais na prática estratégica ocorre por meio de práxis estratégicas pontuais e situadas, nos contatos frequentes e constante envolvimento entre os praticantes com a promoção de ações (dos consultores) que influenciam positivamente nas estratégias da organização, evidenciando que os praticantes são capazes de sintetizar novas práticas e abrirem novos horizontes, eles podem ainda introduzir mais praticantes e novas práxis, em linha com o que propõe Whittington (2006).


Palavras-chave


Prática Estratégica; Estratégia como Prática; Internacionalização; Pequena Empresa; Estudo de Caso

Texto completo:

PDF

Referências


Alonso, C. M. A., Tanaka, T. H, Junior, A. M. Q., & Maccari, E. A. (2010). O processo de internacionalização das operações de venda de produtos de uma indústria de louças sanitárias. Future Studies Research Journal, São Paulo, v. 2(2), pp. 162-185.

Alves, L. C. (1996). Estratégias de internacionalização: uma abordagem à gestão internacional de negócios. SEG - Serviço de Economia e Gestão.

Andersen, T. J. (2000). Strategic planning, autonomous actions and corporate performance. Long Range Planning, v. 33(2), pp. 184-200.

Andersson, S. (2000). The Internationalization of the Firm from an Entrepreneurial Perspective. International Studies of Management & Organization, v. 30(1), pp. 63-92.

Ansoff, H. I. (1965). Corporate strategy: an analytic approach do business policy for growth and expansion. New York: McGraw-Hill.

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Trad. Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis, RJ: Vozes.

Cometti, J. P. (2010). Qu’est-ce que le pragmatisme? Gallimard, Paris.

Coase, R. (1937). The nature of the firm. Economica, v. 4, pp. 386-405.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto; tradução Magda Lopes. 3. ed. Porto Alegre: ARTMED.

Dewey. J. (1974). Experiência e Educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Douglas, S., & Craig, C. S. (2006). On Improving the Conceptual Foundations of International Marketing Research. Journal of International Marketing. v. 14(1), pp. 1-22.

Dunning, J. H. (1988). The ecletic paradigm of international production: a restatement and some possible extensions. Journal of international business studies. v. 19(1), pp. 1-31.

Dunning, J. H.; Lundan, S. M. (2008). Multinational Enterprises and the Global Economy. Second Edition, Edward Elgar Cheltenham, UK Northampton, MA, USA.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. The Academy of Management Review, v. 14(4), pp. 532-550.

Ferreira, M. P., Serra, F. A. R, & Reis, N. R. (2011). Motivações para a internacionalização e modos de entrada nos mercados externos. Instituto Politécnico de Leiria. GlobAdvantage. Center of Research in International Business and Strategy.

Fleury, A., & Fleury, M. T. L. (2012). Multinacionais brasileiras: competências para internacionalização. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Floriani, D. E. (2010). O grau de internacionalização, as competências e o desempenho da PME brasileira. 307 p. Tese de Doutorado de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

Godoi, C., Bandeira-De-Melo, R., & Silva, A. (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Godoi, C. K., & Mattos, P. (2006). Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo: Saraiva.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35(2), pp. 57-63.

Golsorkhi, D. et al. (Ed.). (2015). Cambrigde handbook of strategy as practice. 2. ed. Cambrigde: Cambrigde University Press.

Hautz, J.; Seidl, D. & Whittington, R. (2017). Open Strategy: Dimensions, dilemmas, dynamics. Long Range Planning, v. 30(1), pp. 1-12.

Hemais, C., & Hilal, A. (2004). Teorias, paradigma e tendências em negócios internacionais: de Hymer ao empreendedorismo. In: Hemais, C. (org.). O desafio dos mercados externos. Rio de Janeiro: Mauad.

Hitt, M. A., Ireland, R. D., & Hoskisson, R. E. (2002). Administração estratégica. São Paulo: Pioneira, Thompsons Learning.

Hymer, S. H. (1976). The international operations of national firms: a study of direct foreign investment. Cambridge: MIT Press.

James, W. (1890). The principles of psychology. vol. I and II. New York: Henry Hold and Company. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2018.

Jarzabkowski, P. J. (2005). Strategy as Practice: An Activity-Based Approach. London, Uk: Sage.

Jarzabkowski, P. J., Balogun, J., & Seidl D. (2007). Strategizing: The Challenges of a Practice Perspective. Human Relations, v. 60(1), pp. 5-27.

Jarzabkowski, P. et al. (2016). On the risk of studying practices in isolation: Linking what, who, and how in strategy research. Strategic Organization, v. 14(3), pp. 248-259.

Johanson, J., & Wiedersheim-Paul, F. (1975). The Internationalization of the firm — four Swedish cases. Journal of Management Studies, v. 12(3), pp. 305-322.

Johanson, J., & Vahlne, J-E. (2009). The Uppsala internationalization process model revisited: from liability of foreignness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies, v. 40(1), pp. 1411-1431.

Johanson, J., & Vahlne, J-E. (1977). The internationalization process of the firm: a model of knowledge and increasing foreign market commitment. Journal of International Business Studies, v. 8(1), pp. 23-32.

Johnson, G., Langley, A., Melin, L., & Whittington, R. (2007). Strategy as Practice: Research Directions and Resources. London: Cambridge.

Johnson, G., Melin, L., & Whittington. R. (2003). Micro-strategy and strategizing towards an activity-based view. Journal of Management Studies, v. 40(1), pp. 3-22.

Kerlinger, F. N. (1979). Metodologia da pesquisa em ciências sociais: um tratamento conceitual. São Paulo: EPU/EDUSP.

Kogut, B., & Singh, H. (1988). The effect of national culture on the choice of entry mode. Journal of International Business Studies, v. 19(1), pp. 411–432.

Kovacs, E. P., & Moraes, W. F. A. (2005). Modos de entrada e teorias de internacionalização: uma análise crítica. In: Asamblea Anual de Cladea, 40., Santiago de Chile. Anais... Santiago de Chile: Cladea.

Melin, L. (1992). Internationalization as a strategy process. Strategic Management Journal. v. 13(1), pp. 99-118.

Mintzberg, H. (1975). The manager’s job: Folklore and fact. Harvard Business Review, v. 53, pp. 49-61.

MDIC. (2018). Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2018.

MRE. Ministério das Relações Exteriores. (2011). Exportação Passo a Passo. Brasília: MRE, 268 p.

Oviatt, B. M., & McDougall, P. P. (1997). Internationalization Processes – New Perspectives for a Classical Field of International Management. MIR: Management International Review, v. 37(1), pp. 85-99.

Pierce. C. S. (1878). How to Make Our Ideas Clear. Popular Science Monthly 12, 286-302. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2018.

Porter, M. E. (1980). Competitive Strategy, Free Press, New York.

Salvador, D. W., & Rese, N. (2017). O sensegiving no processo de elaboração de sentido da estratégia em pequenas empresas caracterizadas como organizações híbridas. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas. v. 6(1), pp. 128-159.

Silva, L. N., Cabral, J. E. O., & Oliveira, M. C. (2008). Estratégia de internacionalização de empresas: evolução e determinantes do canal de distribuição utilizado. In: Costa, B. K.; Almeida, M. I. R de. Estratégia contemporânea: Internacionalização, cenários e redes. Campinas, SP: Akademica.

Smircich, L., & Stubbart, C. (1985). Strategic Management in an Enacted World. Academy of Management Review, v. 10(4), pp. 724-736.

Spers, R. G., Wright, J. T. C, Novas, E., Tischler, G., & Jodar, K. (2008). PMEs estrangeiras no Brasil: Um estudo sobre os motivos para internacionalizar, formas de entrada e os desafios. XI SEMEAD, Empreendedorismo em Organizações.

Trochim, W. M. K. (1989). Outcome Pattern Matching and Program Theory. Evolution and Program Planning. v. 12(4), pp. 355-66.

Vahlne, J. E., & Jonsson, A. (2017). Ambidexterity as a Dynamic Capability in the Globalization of the Multinational Business Enterprise (MBE): Case Studies of AB Volvo and IKEA. International Business Review, v. 26(1), pp. 57-70.

Vasconcelos, E. (org.) (2008). Internacionalização, estratégia e estrutura: o que podemos aprender com o sucesso da Alpargatas, Azaleia, Fanem, Voith e Volkswagen. São Paulo: Atlas.

Vergara, S. (2010). Métodos de Pesquisa em Administração. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Vernon, R. (1966). International Investment and International Trade in the Product Cycle. The quarterly journal of economics, v. 80, pp. 190-207.

Welch, L. S., & Loustarinen, R. (1988). Internationalization: evolution of a concept. Journal of General Management, v. 14(2), pp. 34-55.

Williamson, O. (1975). Markets and Hierarchies: Analysis and Antitrust Implications. New York: Free Press.

Whittington, R. (2014). Making strategy: the hard work of institutional innovation in an open professional field. 14th EURAM. Waves and wings of strategic leadership for sustainable competitiveness, Valencia.

_________. (2007). Strategy Practice and Strategy Process, Family Differences and the Sociological Eye. Organization Studies, v. 28(10), pp. 1575-1586.

_________. (2006). Completing the practice turn in strategy research. Organization Studies, v. 27(5), pp. 613-634.

_________. (2003). The Work of Strategizing and Organizing: For a Practice Perspective. Strategic Organization. v. 1(1), pp. 117-125.

_________. (1996). Strategy as practice. Long Range Planning, London, UK, v. 29(5), pp. 731-735.

Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v8i1.893

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1