A Ação Empreendedora de Produtores de Jogos Independentes Inspirada no Effectuation

Jardiel de Moura Gomes, Fernando Gomes de Paiva Júnior, Jose Lindenberg Julião Xavier Filho

Resumo


Objetivo: Este estudo tem como objetivo desvelar a ação empreendedora dos produtores de jogos independentes.


Método: Foi realizada uma pesquisa qualitativa que contou com quatro entrevistas semiestruturadas, analisadas por meio da técnica análise de conteúdo temática.


Originalidade/Relevância: O estudo se diferenciou por conciliar o effectuation com a ação empreendedora e permite a compreensão do modo como esse ator se articula por meio de artefatos empresariais, plataformas tecnológicas e infraestrutura digital.


Resultados: Os resultados revelam a articulação de atores estratégicos em meio às redes organizacionais como de modalidade da ação social que tem por base a constução e manutenção de parcerias e fortalecimento de valores compartilháveis.


Contribuições teóricas/metodológicas: Foram definidas duas abordagens teóricas: o effectuation, proposta por Sarasvathy (2001) e a ação empreendedora, desenvolvida por Paiva Junior (2004). Essas abodagens complementares contemplam um novo modo de olhar a ação empreendedora.


Palavras-chave


Produtor Independente; Ação Empreendedora; Effectuation; Produção de jogos Indie

Texto completo:

PDF

Referências


Bauer, M., & Gaskell, G. (2008). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes.

Berends, H., Jelinek, M., Reymen, I., & Stultiëns, R. (2014). Product innovation processes in small firms: Combining entrepreneurial effectuation and managerial causation. Journal of Product Innovation Management, v. 31, n. 3, pp. 616-635.

Bock, A. J., Opsahl, T., George, G., & Gann, D. M. (2012). The effects of culture and structure on strategic flexibility during business model innovation. Journal of Management Studies, v. 49, n. 2, pp. 279-305.

Caves, R. E. (2003). Contratos entre arte e comércio. Journal of Economic Perspectives, v. 17, n. 2, pp. 73-83.

Chen, C. Y. (2013). Is the video game a cultural vehicle? Games and Culture, v. 8, n. 6, pp. 408-427.

Dentoni, D., Pascucci, S., Poldner, K., & Gartner, W. B. (2018). Learning “who we are” by doing: Processes of co-constructing prosocial identities in community-based enterprises. Journal of Business Venturing, v. 33, n. 5, pp. 603-622.

Ellison, N. B., & Vitak, J. (2015). Serviços de redes sociais e sua relação com os processos de capital social. O manual da psicologia da tecnologia da comunicação, v. 32, pp. 205-228.

Fleury, A., Nakano, D., & Cordeiro, J. H. D. O. (2014). Mapeamento da indústria brasileira e global de jogos digitais. São Paulo: GEDIGames/USP.

Flick, U. (2013). Uma introdução à pesquisa qualitativa: Um guia para iniciantes. Porto Alegre.

Gedigames (Grupo de estudos e desenvolvimento da indústria de games). (2014) Mapeamento da indústria brasileira e global de jogos digitais. Contrato BNDES-FUSP: São Paulo.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Godoi, C. K., Bandeira-de-Mello, R., & Silva, A. D. (2010). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: Paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Hubner, S., & Baum, M. (2018). Effectuation, entrepreneurs' leadershipbehaviour, andemployeeoutcomes: a conceptual model. International Journal of Entrepreneurial Venturing, v. 4, n. 10.

Johns, J. (2006). Video games production networks: value capture, power relations and embeddedness. Journal of Economic Geography, v. 6, n. 2, pp. 151-180.

Latorre, P. L. Ó. (2015). The social discourse of video games analysis model and case study: GTA IV. Games and Culture, v. 10, n. 5, pp. 415-437.

Leucz, T., & Andreassi, T. (2015). O processo decisório e o uso das lógicas effectuation e causation, frente à transição da pequena para a média empresa: casos do setor hoteleiro na cidade de Curitiba-PR. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 9, n. 3, pp. 400-421.

Leucz, T., & Andreassi, T. (2015). O processo decisório e o uso das lógicas effectuation e causation, frente à transição da pequena para a média empresa: casos do setor hoteleiro na cidade de Curitiba-PR. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 9(3), 400-421.

Mangematin, V., Sapsed, S., & Schüβler, E. (2014) Disassembly and reassembly: introduction to the Special Issue on digital technology and creative industries. Technological Forecasting and Social Change, v. 83, n. 1, pp. 1-9.

Meyer, J. W., & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: Formal structure as myth and ceremony. American journal of sociology, v. 83, n. 2, pp. 340-363.

Minayo, M. C. D. S. (2010). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec.

Muzzio, H. (2017). Individual, Leadership and Culture: Evidence of Creativity Management. Revista de Administração Contemporânea, v. 21, n. 1, pp. 107-124.

Nambisan, S. (2017). Digital entrepreneurship: Toward a digital technology perspective of entrepreneurship. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 41, n. 6, pp. 1029-1055.

Øystein, H., Beate, P. I., & Jarle, A. (2018). EntrepreneurialCausation vs. Effectuation in a Business IncubationContext: Implications for RecruitingPolicyand Management. Entrepreneurship Research Journal, v. 8, n. 1, pp. 1-11.

Paiva Júnior, F. G. (2004). O empreendedorismo na ação de empreender: uma análise sob o enfoque da fenomenologia sociológica de Alfred Schütz. Tese (Doutorado em Administração). Unviersidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2004.

Paiva Júnior, F. G., Leão, A. L. M.,, & de Mello, S. C. B. (2011). Validade e confiabilidade na pesquisa qualitativa em administração. Revista de Ciências da Administração, v. 13, n. 31, pp. 190-209.

Pereira, J. A., & Bernardo, A. (2016). Empreendedorismo Digital: Estudo do Projeto Negócios Digitais Realizado pelo Sebrae-PR em Maringá. Desenvolvimento em Questão, v. 14, n. 37, pp. 293-327.

Perucia, A., Balestrin, A.,, & Verschoore, J. (2011). Coordenação das atividades produtivas na indústria brasileira de jogos eletrônicos: hierarquia, mercado ou aliança. Revista Produção, v. 21, n. 1, pp. 64-75.

Pfeilstetter, R. (2017). Startup communities: Notes on the sociality of tech-entrepreneurs in Manchester. Journal of Comparative Research in Anthropology, & Sociology, v. 8, n. 1, pp. 1-15.

Porto, P., & Mello, R. C. (2015). Empreendedorismo internacional e Effectuation: O caso do Café Yaguara Ecológico. Internext, v. 10, n. 3, pp. 15-30.

Price Water House Coopers (PWC). (2014). Global entertainment and media outlook 2014-2018.

Prystupa-Rządca, K., & Starostka, J. (2015). Customer involvement in the game development process. Entrepreneurship and Innovations: Novel Research Approaches, v. 11, n. 3, pp. 43-66.

Ramos, D. K. (2008). A escola frente ao fenômeno dos jogos eletrônicos: aspectos morais e éticos. Renote, v. 6, n. 2, pp. 1-10.

Reis, F. L., Torres, I. M. C., Soares, L. D. C., Lacerda, V. P. D., & Magela, N. C. M. (2016). Criatividade e Inovação: O uso dos games na Educação. Revista Expressão, v. 1, n. 1, pp. 1-16.

Reymen, I., Berends, H., Oudehand, R., & Stultiëns, R. (2016). Decision making for business model development: a process study of effectuation and causation in new technology‐based ventures. R&D Management, v. 47, n. 4, pp. 595-606.

Rondani, B., Andreassi, T., & Bernardes, R. (2013). Microfoundations for Open Innovation: is effectuation a valid approach for open innovation managers? Revista Gestão, & Conexões, v. 2, n. 1, pp. 94-115.

Salusse, Y. M. A., & Andreassi, T. (2016). O Ensino de Empreendedorismo com Fundamento na Teoria Effectuation. Revista de Administração Contemporânea, v. 20, n. 3, pp. 305-327.

Sanson, C. (2009). A produção biopolítica é constitutiva ao capitalismo cognitivo. Liinc em Revista, v. 5, n. 2, pp. 206-214.

Sarasvathy, S. D. (2001). Causation and effectuation: Toward a theoretical shift from economic inevitability to entrepreneurial contingency. Academy of management Review, v. 26, n. 2, pp. 243-263.

Sarasvathy, S. D. (2003). Entrepreneurship as a science of the artificial. Journal of Economic Psychology, v. 24, n. 2, pp. 203-220.

Sarasvathy, S. D., & Dew, N. (2005). New market creation through transformation. Journal of evolutionary economics, v. 15, n. 5, pp. 533-565.

Schaefer, R., & Minello, I. F. (2017). Mentalidade Empreendedora: o modo de pensar do Indivíduo empreendedor. REGEPE-Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6, n. 3, pp. 495-524.

Shaw, A. (2010). What is video game culture? Cultural studies and game studies. Games and Culture, v. 5, n. 4, pp. 403-424.

Silva, A. D. F. D. (2014). O processo regulador na [Re] conversão de um Arranjo Produtivo Local: o caso do Portomídia–Centro de Empreendedorismo e Tecnologia da Economia Criativa. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal de Pernambuco. Recife (PE).

Sousa, J. L., & Paiva Júnior, F. G. (2012). Empreendendo no setor público: a dinâmica da Fundação Joaquim Nabuco. Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana.

Spedale, S., & Watson, T. J. (2014). The emergence of entrepreneurial action: At the crossroads between institutional logics and individual life-orientation. International Small Business Journal, v. 32, n. 7, pp. 759-776.

Srinivasan, A., & Venkatraman, N. (2018). Entrepreneurship in digital platforms: A network‐centric view. Strategic Entrepreneurship Journal, 12(1), 54-71.

Stake, R. (2009). A arte da investigação com estudo de caso. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Tasic, I. A. B. (2007). Estratégia e empreendedorismo: decisão e criação sob incerteza Tese (Doutorado em Administração). Fundação Getúlio Vargas. São Paulo (SP).

Theodorakopoulos, N., McGowan, C., Bennett, D., Kakabadse, N.,, & Figueira, C. (2014). Diversificação na fabricação de vestuário técnico como aprendizado empreendedor: uma perspectiva da teoria de aprendizagem situada. Journal of Manufacturing Technology Management, v. 25, n. 5, pp. 676-693.

Toaldo, A. M. M., & Negrão, M. D. A. (2013). Processos de implementação de estratégias de marketing na indústria criativa de jogos eletrônicos. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 12, n. 2, pp. 105-137

Verschoore, J. R., & Balestrin, A. (2011). Outcomes in small-firm networks: a quantitative study in the Southern Brazilian context. In: Johanson, M., & Lundberg, H. (2011). Network strategies for regional growth. Palgrave Macmillan, London, pp. 79-99.

Villani, E., Linder, C., & Grimaldi, R. (2018). Effectuation and causation in science-based new venture creation: A configurational approach. Journal of Business Research, v. 83, pp. 173-185.

Von Briel, F., Davidsson, P., & Recker, J. (2018). Digital technologies as external enablers of new venture creation in the IT hardware sector. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 42, n. 1, pp. 47-69.

Wang, Q., & Sun, X. (2016). Investigating gameplay intention of the elderly using an Extended Technology Acceptance Model (ETAM). Technological Forecasting and Social Change, v. 107, pp. 59-68.

Willis, S. (1997). Cotidiano: Para começo de conversa. Rio de Janeiro: Graal.

Wiltbank, R., Dew, N., Read, S.,, & Sarasvathy, S. D. (2006). O que fazer a seguir? O caso da estratégia não previsível. Revista de Gestão Estratégica, v. 27, n. 10, pp. 981-998.

Xavier F, J. L. J. (2017). Jogos eletrônicos como mediação comunicativa da cultura: Um olhar a partir da Cultura da Produção. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal de Pernambuco. Recife (PE).




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v8i2.1147

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1