Improvisação e Aprendizagem de Empreendedores Informais: A Experiência de Empreendedores Feirantes

Fernanda Paula Arantes, Maria Salete Batista Freitag, Edy Lawson Silva Santos

Resumo


Improvisação no trabalho deixou de ser considerada uma falha grave, passando a ser analisada sob a lente dos processos potenciais para a aprendizagem nas organizações. No Brasil, os estudos sobre o tema restringiram-se, sobretudo, ao contexto organizacional tradicional, sendo poucos também aqueles que se baseiam em resultados empíricos. Desta forma, partindo-se da análise de um contexto de empreendedorismo informal, o presente estudo realiza uma discussão teórica-empírica em torno da relação entre improvisação e aprendizagem. Foi escolhido como cenário de estudo a Feira Hippie da cidade de Goiânia, Goiás, maior feira especial do Estado, com cerca de 13.870 feirantes associados. Os dados coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, foram analisados com base nos princípios da Análise Fenomenológica Interpretativa (AFI), tendo os resultados indicado que, mesmo existindo singularidades no modo de interação social entre os feirantes e demais atores que fazem parte do universo da feira, fatores específicos levam à caracterização desse cenário enquanto uma Comunidade de Prática. Com isso, o artigo oferece contribuições metodológicas, visto ser um dos poucos estudos empíricos sobre o tema e que adota a AFI.  Além disso, as particularidades reveladas pelo estudo possibilitaram a proposição de uma tipologia de improvisação voltada a atividades e ambientes pouco estruturados, o que caracteriza o contexto dos empreendedores informais pesquisados, principal contribuição teórica do estudo.


Palavras-chave


Improvisação; Aprendizagem; Empreendedores Informais; Feiras Especiais; Artesão

Texto completo:

PDF

Referências


Antonello, C. S. (2006). Aprendizagem na ação revisitada e sua relação com a noção de competência. Comportamento Organizacional e Gestão, 1, 17-37.

Aranha, E. A., & Garcia, N. A. P. (2005). Improvisação organizacional, jazz e as representações do tempo na organização. Revista Gerenciais, 4, 79-87.

Argyris, C., & Schön, D. A. (1978) Organizational learning: a theory of action perspective. In: Reis: Revista Española de Investigaciones Sociológicas, 77-78, Monográfico sobre la Formación y las Organizaciones, 1997, 345-348. Recuperado em 26 novembro, 2015 de http://www.jstor.org/stable/40183951?seq=1#page_scan_tab_contents

Bigsten, A., Kimuyu, P., & Lundvall, K. (2004). What to do with the Informal Sector? Development Policy Review, 22(6), 701–715.

Bosire, J., & Gamba, P. (2003). Measuring business skills cognition: the case of informal sector entrepreneurs in Kenya. Eastern Africa Social Science Research Review, 19(2), 1-21.

Brown, J. & Duguid, P. (1991). Organizational learning and communities-of-practice. Organization Science, 2(1), 40-57.

Carvalho, G. L., Wendland, S. M., & Mota, A. M. G. de. (2007). O impacto da feira hippie no setor turístico-hoteleiro de Goiânia. Boletim Goiano de Geografia Goiânia, 27(3), 29-48.

Chelariu, C., Johnston, W. J., & Young, L. (2002). Learning to improvise, improvising to learn: a process of responding to complex environments. Journal of Business Research, 55(2), 141-147.

Cook, S. D. N., & Yanow, D. (2011). Culture and Organizational Learning. Journal of Management Inquiry, 20(4), 355-372.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Crossan, M., & Sorrenti, M. (1997). Making sense of improvisation. Strategic Management, 14, 155-180.

Cunha, M. P. (2002). All that jazz: três aplicações do conceito de improvisação organizacional. Revista de Administração de Empresas – RAE, 42(3), 36-42. Recuperado em 19 outubro, 2015 de http://www.scielo.br/pdf/rae/v42n3/v42n3a03

Duxbury, T. (2014). Improvising entrepreneurship. Technology Innovation Management Review, 4(7), 22–26. Recuperado em 19 outubro, 2015 de http://timreview.ca/article/809

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. The Academy of Management Review, 14(4), 532-550.

Flach, L. (2012). A rota das cervejarias artesanais de Santa Catarina: Analisando Improvisação e Aprendizagem. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 10(3), 567-594.

Flach, L., & Antonello, C. S. (2015). O papel da improvisação nos processos de aprendizagem nas organizações: a metáfora da improvisação no ritmo brasileiro choro. Anais do XXXI Encontro Nacional de Pós-Graduação em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 16.

Fyol, C. M., & Lyles, M. A. (1985). Organizational Learning. The Academy of Management Review, 10(4), 803-814.

Gioia, T. (1987). Jazz: the aesthetics of imperfection. The Hudson Review, 39(4), 585–600.

Gomes, L. A. de V. (2013). Corrida maluca em territórios desconhecidos: como empreendedores gerenciam incertezas individuais e coletivas em ecossistemas empreendedores. 2013. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

Gudolle, L. S., Antonello, C. S., & Flach, L. (2012). Aprendizagem situada, participação e legitimidade nas práticas de trabalho. Revista de Administração Mackenzie, 13(1), 14-39. Recuperado em 30 outubro, 2015 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-69712012000100002&lng=en&nrm=isso

Hmieleski, K. M., & Corbett, A. C. (2006). Proclivity for improvisation as a predictor of entrepreneurial intentions. Journal of Small Business Management, 44(1), 45-63.

Huber, G. P. (1991). Organizational Learning: the contributing process and the literatures. Organization Science, 2(1), 88-115. Recuperado em 01 outubro, 2015 de http://mgmt.iisc.ernet.in/~piyer/Knowledge_Management/Organizational%20Learning%20Contributing%20Processes%202%201%20Organization%20Science%201991.pdf

Lave, J. (1991). Situating learning in communities of practice. In Resnick, L. B., Levine, J. M., & Stephanie, D. (Eds.). Perspectives on socially shared cognition. Washington: American Psychological Association, 63-82.

Lindseth, A., & Norberg, A. (2004). A phenomenological hermeneutical method for researching lived experience. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 18, 145-153.

Machles, D. (2003). Situated learning. Professional Safety, 48(9), 22-28.

Moorman, C., & Miner, A. S. (1998). Organizational improvisation and organizational memory. The Academy of Management Review, 23(4), 698-72.

Santos, A., & Moreira, L. (2011). A auto-aprendizagem e a aprendizagem colaborativa em contexto de Learning Organization. Educação, Formação e Tecnologias, 4(1), 28-44. Recuperado em 20 outubro, 2015 de http://eft.educom.pt/index.php/eft/article/viewFile/201/139

Santos, L. A. N. dos, & Davel, E. (2015). Improvisação como competência cultural: uma autoetnografia da atividade gerencial no setor público. Gestão & Conexões = Management and Connections Journal, 4(1), 91-115.

Souza, G. H. S., Costa, A. C. S., Lima, N. C., Coelho, J. A. P. de M., Penedo, A. S. T., & Silva, T. E. E. (2013). Structures of commercialization: actions of informal marketing from Brazilian micro-entrepreneurs in a street market. International Journal of Business and Commerce, 2(9), 20-36.

Thai, M. T. T., & Turkina, E. (2014). Macro-level determinants of formal entrepreneurship versus informal entrepreneurship. Journal of Business Venturing, 29(4), 490-510.

Vergara, S. C. (2012). Métodos de pesquisa em administração (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Webb, J. W., Bruton, G. D., Tihanyi, L., & Ireland, R. D. (2013). Research on entrepreneurship in the informal economy: framing a research agenda. Journal of Business Venturing, 28(5), 598–614.

Weick, K. E. (1993). The collapse of sensemaking in organizations: the Mann Gulch disaster. Administrative Science Quarterly, 38, 628-652.

Weick, K. E. (2002). A estética da imperfeição em orquestras e organizações. Revista de Administração de Empresas, 42(3), 6-18.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v7i3.921

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia