Analisando um ecossistema de educação empreendedora a partir da experiência de uma instituição pública brasileira

Daniel Paulino Teixeira Lopes, Silvana Alves da Silva, Cacilda Maria de Almeida, Lucas Gabriel Ribeiro Martins

Resumo


Objetivo:  Este artigo tem o objetivo de analisar o ecossistema de educação empreendedora de uma instituição pública de ensino e pesquisa brasileira. Método:  Foi realizado um estudo de caso no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), perfazendo-se três fases: um survey em 2017, uma etapa de observação participante em 2018 e outro survey em 2019. Resultados: A análise das dimensões políticas, estrutura, recursos, atores e cultura indica a configuração dos principais elementos do ecossistema de educação empreendedora e seus possíveis reflexos na instituição analisada. Os resultados mostram ser necessária a institucionalização de processos educacionais que contemplem empreendedorismo nos componentes curriculares, extracurriculares e de pesquisa, bem como a disponibilização de recursos e estruturas. Tais aspectos podem contribuir para a articulação dos atores e a formação de uma cultura empreendedora. Contribuições teóricas/metodológicas: O artigo contribui ao avançar na compreensão dos ecossistemas de educação empreendedora, propondo a triangulação de métodos para a aplicação do framework de análise. Além disso, contribui-se ao analisar uma instituição de ensino e pesquisa singular, relevante pela complexidade do seu desenho institucional e pela orientação à formação tecnológica. Originalidade/relevância: Este artigo 1) identifica possíveis caminhos analíticos e sugestões de intervenção, fundamentados nas interações da Hélice Tríplice, para desenvolver ecossistemas de educação empreendedora, fazendo avançar essa literatura e 2) aborda como unidade de análise a própria instituição de ensino e pesquisa (e não o território), demonstrando uma alternativa ao tradicionalmente realizado nos estudos sobre ecossistemas empreendedores. Contribuições para a gestão: Foram identificadas sugestões para a tomada de decisão sobre as políticas institucionais e para promover maior participação em ações do território, as quais podem ser colocadas em prática para favorecer os ecossistemas de educação empreendedora de outras instituições.


Palavras-chave


Ecossistema de Educação Empreendedora. Hélice Tríplice. Ranking de Universidades Empreendedoras. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais.

Referências


Alberti, F., Sciascia, S. & Poli, A. (2004). Entrepreneurship education: Notes on an ongoing debate. Proceedings of the 14th Annual International Entrepreneurship Conference, Naples, Italy.

Audy, J. (2017). A inovação, o desenvolvimento e o papel da Universidade. Estudos Avançados, 31(90), 75-87.

Babbie, E. (1999). Métodos de Pesquisa de Survey, Belo Horizonte, Editora UFMG.

Belitski, M. & Heron, K. (2017). Expanding entrepreneurship education ecosystems, Journal of Management Development, 36(2), 163-177.

Bell, D. (2006). El advenimiento de la sociedade post-industrial: un intento de prognosis social, 6 ed., Madrid, Alianza Editorial.

Bischoff, K., Volkmann, C.K. & Audretsch, D.B. (2018) Stakeholder collaboration in entrepreneurship education: an analysis of the entrepreneurial ecosystems of European higher educational institutions. Journal of Technology Transfer, 43, 20–46.

Brasil (2008). Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Disponível em: .

Brasil (2016). Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera (...). Disponível em: .

Brasil (2018). Decreto no 9.283, de 7 fevereiro de 2018. Regulamenta a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016 (...) para estabelecer medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo (...) .

Brasil Júnior (2017). Índice de Universidades Empreendedoras 2017, São Paulo, Confederação Brasileira de Empresas Juniores. Disponível em: .

Brasil Júnior (2019). Ranking de Universidades Empreendedoras 2019, São Paulo, Confederação Brasileira de Empresas Juniores. Disponível em: .

Brush, C. G. (2014). Exploring the Concept of an Entrepreneurship Education Ecosystem, Innovative Pathways for University Entrepreneurship in the 21st Century (Advances in the Study of Entrepreneurship, Innovation and Economic Growth), 24, 25-39.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo, Paz e Terra.

CEFET-MG Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (2016). Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI 2016-2020, Belo Horizonte, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais.

CEFET-MG Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (2018). Resolução CD-027/18, de 07 de maio de 2018. Aprova a Política de Inovação do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Disponível em .

CEFET-MG Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (2020). Relatório de Gestão 2019, Belo Horizonte, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Disponível em

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e mistos, 3ª ed., Porto Alegre, Artmed.

Davari, A., Emami, A., Ramadani, V. & Taherkhani, S. (2018). Factors influencing academic entrepreneurship: a case-based study, Journal of Science and Technology Policy Management, 9(3), 284-295.

DISTRITO (2020). Minas Tech Report Brasil 2020. São Paulo, Distrito/KPMG.

Dorion, E. C. H., Nodari, C. H., Olea, P. M., Ganzer, P. P., & Mello, C. B. C. (2015). New Perspectives in Entrepreneurship Education - A Brazilian Viewpoint. In C. Sanchez (Ed.), Entrepreneurship Education and Training, London, InTech.

Etzkowitz, H. (1983). Entrepreneurial Scientists and Entrepreneurial Universities in American Academic Science. Minerva, 21(2), 198-233.

Etzkowitz, H. & Zhou, C. (2017). Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avançados, 31(90), 23-48.

Fetters, M. L., Rice, M. P., Greene, P. G., & Butler, J. S. (2010). The development of university-based entrepreneurship ecosystems: Global practices. Northampton, MA: Edward Elgar Publishing.

Gimenez, A. M. N. (2017). As multifaces da relação universidade-sociedade e a construção do conceito de terceira missão, Tese de Doutoramento, Campinas, Unicamp.

Godoi, C., Bandeira-De-Melo, R, & Silva, A. (2010). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais. 2a. Ed. São Paulo, Saraiva.

Guerrero, M. & Urbano, D. (2012). The development of an entrepreneurial university. The Journal of Technology Transfer, 37(1), 43-74.

Hayter, C. S. (2016). A trajectory of early-stage spinoff success: the role of knowledge intermediaries within an entrepreneurial university ecosystem. Small Business Economics, 47(3), 633-656.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2020). Pesquisa de Inovação 2017, Rio de Janeiro, IBGE.

Isenberg, D. J. (2011). The Entrepreneurship Ecosystem Strategy as a New Paradigm for Economic Policy: Principles for Cultivating Entrepreneurships. The Babson Entrepreneurship Ecosystem Project, 1(781), 1-13.

Johann, D. A., Krüger, C., & Minello, I. F. (2018). Educação empreendedora: um estudo bibliométrico sobre a produção científica recente. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, 8(4), 125-145.

Kuratko, D. F. (2005). The emergence of entrepreneurship education: Development, trends and challenges. Entrepreneurship Theory and Practice, 229(5), 577-598.

Lima, E., Lopes, R. M., Nassif, V., & da Silva, D. (2015). Opportunities to improve entrepreneurship education: Contributions considering Brazilian challenges. Journal of Small Business Management, 53(4), 1033-1051.

Maritz, A., & Foley, D. (2018). Expanding Australian Indigenous entrepreneurship education ecosystems. Administrative Sciences, 8(2), 20.

Martins, I. M. & Olave, M. E. L. O. (2020). Os ‘Ecossistemas’ na área das Ciências Sociais: tipologias e particularidades. In XLIV Encontro da Anpad - EnANPAD 2020. Anais... Evento Online: Anpad.

Mowery, D. C. & Sampat, B. N. (2005). Universities in National Innovation Systems. In J. Fagerberg et al. (Eds.), The Oxford Handbook of Innovation, New York, Oxford University Press.

Mukesh HV, Pillai R. (2020). Role of Institutional Ecosystem in Entrepreneurship Education: An Empirical Reiteration, The Journal of Entrepreneurship, 29(1), 176-205.

Nabi, G., Liñán, F., Fayolle, A., Krueger, N., & Walmsley, A. (2017). The impact of entrepreneurship education in higher education: A systematic review and research agenda. Academy of Management Learning & Education, 16(2), 277-299.

Neck, H. M., Greene, P. G. and Brush, C.G. (2014). Teaching entrepreneurship: A practice-based approach. Edward Elgar Publishing.

Ratten, V. (2019). Guest editorial, Journal of Science and Technology Policy Management, 10(4), 857-860.

Ribeiro, A. T. V. B., Uechi, J. N. & Plonski, G. A (2018). Building builders: entrepreneurship education from na ecosystem perspective at MIT. Triple Helix, 5 (3).

Ribeiro, A. T. V. B. & Plonski, G. A. (2020). Educação Empreendedora: o que dizem os artigos mais relevantes? Proposição de uma revisão de literatura e panorama de pesquisa. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 9(1), 10-41.

Rossano-Rivero, S. & Wakkee, I. (2019). Academic entrepreneurship in the context of education: The role of the networking behaviour of academics, Journal of Science and Technology Policy Management, 10(4), 951-974.

Ruffoni, J., Melo, A. & Spricigo, G. (2017). Universidade: Surgimento e trajetória na Geração de Conhecimento e Inovação. In M. S. Rapini, L. A. Silva & E. M. Albuquerque, Economia da ciência, tecnologia e inovação: fundamentos teóricos a economia global, Curitiba, Prismas.

SEBRAE-MG Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (2018). Oficina Ecossistema de Educação Empreendedora, Belo Horizonte, SEBRAE-MG.

Silva, S. A. (2017). Condicionantes para a criação de vantagens competitivas em incubadoras de empresas de base tecnológica: análise a partir da Resource-based View e da abordagem das Capacidades Dinâmicas, Tese de Doutoramento, Belo Horizonte, CEPEAD/UFMG.

Spigel, B. (2017). The relational organization of entrepreneurial ecosystems. Entrepreneurship Theory and Practice, 41(1), 49–72.

Stam, E. & Spigel, B. (2016). Entrepreneurial ecosystems. In Blackburn, R., De Clercq, D., & Heinonen, J. (Eds.), SAGE Handbook of Entrepreneurship and Small Business. London: SAGE.

Wraae, B., & Thomsen, J. (2019). Introducing a New Framework for Understanding Learning in an Entrepreneurship Education Ecosystem. Journal of Higher Education Theory and Practice, 19(2).

Yin, Robert K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. Ed. Porto Alegre, Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.e2018

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1