E se a Vida te Desse Limões, o que Você Faria?

Fernanda Paula Arantes, Daniel do Prado Pagotto, Maria Salete Batista Freitag

Resumo


Fundador de um clube de empreendedorismo universitário, inspirado por modelos estrangeiros, Guilherme superou diversos desafios em prol de fortalecer um empreendimento e sua marca. Juntamente com seus sócios, o jovem, que possui experiência em startup, priorizou a diversidade no momento de recrutar os primeiros membros do clube. Contudo, esse elemento revelou-se complexo em termos de gestão e trouxe algumas surpresas desagradáveis, ocasionando a dissolução da primeira equipe. Resiliente e com experiência no assunto, ainda que jovem, o empreendedor conseguiu formar uma nova equipe e encontra-se com novos projetos em vista para o clube de empreendedorismo. Amparado pelos aprendizados decorrentes dos erros do passado, os quais Guilherme deseja evitar que ocorram novamente e movido por novos planos, o jovem encontra-se diante daquele que talvez seja o seu maior desafio até o momento: conduzir o processo de sucessão sem que o clube se desfaça. Os dados para a elaboração do caso foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, observação direta e documentos do clube. 


Palavras-chave


Clube de Empreendedorismo; Comportamento Organizacional; Sucessão; Universidade; Caso de Ensino

Texto completo:

PDF

Referências


Akgün, A. E., Lynn, G. S., Keskin, H., & Dogan, D. (2014). Team Learning in IT implementation projects: antecedents and consequences. International Journal of Information Management, v. 34, pp. 37-47.

Associação Brasileira de Startups. (2016). Definição startup. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

Borges, A. F., & De Lima, J. B. (2012). O Processo de Construção da Sucessão Empreendedora em Empresas Familiares: um estudo multicaso. REGEPE - Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 1(1), pp. 131-154.

Carmeli, A., Edmondson, A. C., & Tishler, A. (2011). CEO relational leadership and strategic decision quality in top management teams: The role of team trust and learning from failure. Strategic Organization, 10(1), 31-54.

Gioia, T. (1987). Jazz: The Aesthetics of Imperfection. The Hudson Review. v. 39(4). pp. 585-600. http://doi.org/10.2307/3851219.

Harms, R. (2015) Self-regulated learning, team learning and project performance in entrepreneurship education: Learning in a lean startup environment. Technological Forecasting and Social Change, v. 100, pp. 21-28.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (2009). Safári da estratégia. Porto Alegre: Bookman Editora, 2009.

Parboteeah, K. P., Hoegl, M., & Muethel, M. (2015). Team characteristics and employees’ individual learning: A cross-level investigation. European Management Journal, v. 33, pp. 287-295.

Reis, D. G. dos. (2011). O papel da reflexão na aprendizagem gerencial. In: Antonello, C. S., & Godoy, A. S. (2011) Aprendizagem Organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, pp. 353-380.

Ries, E. (2014). A startup enxuta. São Paulo: Leya.

Robbins, S. (2005). Comportamento Organizacional. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Santarém, V., & Vitoriano, M. C. de C. P. (2016). Gestão da Informação e Memória Organizacional como Elementos da Inteligência Competitiva. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, n. especial, pp. 158-170.

Sarasvathy, S. D. (2001). Causation and effectuation: Toward a theoretical shift from economic inevitability to entrepreneurial contingency. Academy of Management Review, v. 26(2), pp. 243-263.

Schein, E. H. (1993). On Dialogue, Culture, and Organizational Learning. Organizational Dynamics, 22(2), 40-51.

Schein, E. H. (2009). Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Editora Atlas.

Teston, S. F., Filippim, E. S., & Bencke, F. F. (2016). Aprendendo a ser Sucessor: um olhar sobre a experiência. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 6(1), pp. 155-174.

UFG. Universidade Federal de Goiás. (2016). UFG em números. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

Vergara, S. C. (2009). Gestão de Pessoas. 8. ed. São Paulo: Atlas.

Wagner Iii, J. A., & Hollenbeck, J. R. (2006). Comportamento Organizacional: criando vantagem competitiva. 6. ed. São Paulo: Saraiva.

Weick, K. E. (1993). The collapse of sensemaking in organizations: the Mann Gulch disaster. Administrative Science Quarterly, v. 38, pp. 628-652.




DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v7i3.843

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia