As Agtechs e o Ecossistema de Inovação do Espírito Santo

Christiane Barbosa e Castro, Paulo Henrique Bertucci Ramos

Resumo


Objetivo - O trabalho teve como objetivo identificar os incentivos mais relevantes disponíveis para Agtechs, também conhecidas como Agritechs ou Agrotechs, os desafios por elas enfrentados para chegar na fase de escalabilidade e sua relação com eventuais limitações do ecossistema de inovação local.

 

Metodologia - Trata-se de um estudo qualitativo de caso. Os dados foram coletados com entrevistas semiestruturadas. Os dados foram analisados no âmbito qualitativo, utilizando a técnica da análise de conteúdo (Bardin, 2008).

 

Originalidade/Relevância - Este estudo busca responder as principais lacunas sobre a busca de incentivos e as demandas das Agtechs alocadas no Espírito Santo bem como a verificar a estruturação do ecossistema desse estado.

 

Resultados - Os resultados demonstram que (I) os empreendedores das Agtechs entrevistadas identificaram demandas e oportunidades diversas de mercado; (II) as Agtechs contaram principalmente com suporte, por meio de incubação e mentoria, (III) essa empresas nascentes tiveram maior dificuldade na etapa de prototipagem, na identificação de fontes de recurso e para formar equipe, indicando a necessidade de ampliar o apoio e a oferta de soluções do ecossistema nessa direção, bem como facilitar o acesso aos investidores e (IV) o ecossistema de inovação do Espírito Santo ainda apresenta uma série de desafios para que possa cumprir plenamente o papel de incentivo, de maneira estruturada, às startups denominadas Agtechs.

 

Contribuições teóricas/metodológicas - Os resultados obtidos demonstram as necessidades de se ter um ecossistema empreendedor para o desenvolvimento das Agtechs bem como demonstram as principais dificuldades dos empreendedores em constituir uma empresa nascente em um estado específico.

 

Relevância/originalidade - As questões envolvidas no trabalho compreendem temas de interesse central na busca por um entendimento em maior profundidade da dinâmica aplicada dos ecossistemas empreendedores e as Agtechs no contexto de Espírito Santo.


Palavras-chave


Agronegócio; desafios; oportunidades; novos modelos de negócio.

Referências


Aceleradora de Empresas em Tecnologias Voltadas para a Agricultura – AgtechGarage. (2018). 2º Censo Agtech Startups Brasil. Recuperado de https://www.Agtechgarage.com/censo/. Acesso em 22 de setembro 2019.

Agriculture and Agtech Investment Opportunities – AgFunder. (2018). AgFunder AgriFood Tech Investing Report – Year in Review 2018. Recuperado de: https://research.AgFunder.com/2018/AgFunder-Agrifood-Tech-Investing-Report-2018.pdf. Acesso em: 22 de setembro de 2019.

Associação Brasileira de Startups - ABS Startups (2018). Mapeamento Agtech – Investigação sobre o uso das tecnologias para o Agronegócio no Brasil. Recuperado de https://abstartups.com.br/mapeamento-Agtech/. Acesso em: 22 de setembro de 2019.

Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada - CEPEA. (2019). PIB do Agronegócio Brasileiro. Recuperado de https://www.cepea.esalq.usp.br/br/pib-do-agronegocio-brasileiro.aspx. Acesso em 09 de março de 2019.

Dedehayir, O; Mäkinen, S.J.; & Ortt, J.R. (2018). Roles During Innovation Ecosystem Genesis: A Literature Review. Technological Forecasting and Social Change,136, 18-29. DOI: https://doi.org/10.1016/j.techfore.2016.11.028.

Dias, C.N.; Jardim, F.; & Sakuda, L.O. (2019). Radar Agtech Brasil 2019: Mapeamento das Startups do Setor Agro Brasileiro. Embrapa, SP Ventures e Homo Ludens: Brasília e São Paulo, Brasil. Recuperado de www.radarAgtech.com.br. Acesso em 30 de setembro de 2019.

Durante, G.; & Turvani, M. (2018). Coworking, the Sharing Economy, and the City: Which Role for the ‘Coworking Entrepreneur’?. Urban Science, 2(83), 1-21 DOI: 10.3390/urbansci2030083

Federação das Indústrias do Espírito Santo – FINDES. (2019). Mobilização Capixaba pela Inovação. Recuperado de https://findes.com.br/mobilizacao-capixaba-pela-inovacao/ . Acesso em: 10 de março de 2019.

Global Entrepreneurship Monitor [GEM]. (2019). Relatório Executivo Ano 2018. Recuperado de https://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2019/02/Relat%C3%B3rio-Executivo-Brasil-2018-v3-web.pdf. Acesso em 09 de março de 2019.

Gray, D. E. (2012). Pesquisa no mundo real. 2. Ed. Porto Alegre: Penso.

Grumadaite, K.; & Jucevicius, G. (2014). Smart Development of Innovation Ecosystem. Procedia: Social and Behavioral Sciences, 156 (26), 125-129. DOI: doi.org/10.1016/j.sbspro.2014.11.133.

Holm, J.R.; & Ostergaard, C.R. (2013). Regional employment growth, shocks and regional industrial resilience: A quantitative analysis of the Danish ICT sector. Regional Studies 49, 95-112. DOI: doi.org/10.1080/00343404.2013.787159.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica - IBGE. (2019). Censo Agropecuário 2017: Resultados Preliminares. Recuperado de https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/templates/censo_agro/resultadosagro/index.html. Acesso em 09 de março de 2019.

Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural - INCAPER. Boletim da Conjuntura Agropecuária Capixaba. (2019). Recuperado de https://biblioteca.incaper.es.gov.br/digital/bitstream/123456789/3394/1/Boletim-da-conjuntura-Agropecuaria-Ano-IV-n-16-Dezembro-de-2018.pdf>. Acesso em 10 de março de 2019.

Instituto Jones dos Santos Neves - IJSN. Indicador do PIB do Agronegócio do Estado do Espírito Santo. (2011). Recuperado de http://www.ijsn.es.gov.br/component/attachments/download/3923. Acesso em 09 de março de 2019.

Meirinhos, M., & Osório, A. (2010). O Estudo de Caso como Estratégia de Investigação em Educação. EDUSER: Revista de Educação (2), 49-65.

Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - MDIC. (2019). Estatísticas de Comércio Exterior. Comex Vis: Estado. Recuperado de http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/comex-vis/frame-uf-produto?uf=es. Acesso em 10 de março de 2019.

Mondin, M; & Tomé, J. (2018). Segundo Censo Agtech Startup Brasil. Agtech Garage e ESALQ/USP. Recuperado de https://www.Agtechgarage.com/censo/. Acesso em 29 de setembro de 2019.

Müller, B; & Rammer, C. (2012). Start-up promotion instruments in OECD countries and their application in developing countries. ZEW Gutachten/Forschungsberichte, Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit [GIZ] GmbH. Recuperado de https://www.econstor.eu/bitstream/10419/110561/1/718712390.pdf. Acesso em 29 de setembro de 2019.

Mueller, R.; & Thoring, K. (2012). Design Thinking vs. Lean Startup: Uma comparação de duas estratégias de inovação orientadas pelo usuário. International Design Management Research Conference. Boston, Massachusetts, EUA. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/234066097_DESIGN_THINKING_VS_LEAN_STARTUP_A_COMPARISON_OF_TWO_USER-DRIVEN_INNOVATION_STRATEGIES. Acesso em 08 de outubro de 2019.

Porter, M. (1993). A Vantagem Competitiva das Nações. Editora Campus, Rio de Janeiro, Brasil.

Roncaratti, L.S. (2017). Incentivos a Startups no Brasil: os casos do Startup Brasil, InovAtiva e InovApps. p. 215-229. In: Inovação no setor público: Teoria, tendências e casos no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada [IPEA]. Brasília, Distrito Federal, Brasil. Recuperado de http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8800/1/Incentivos%20a%20Startups%20no%20Brasil.pdf. Acesso em 29 de setembro de 2019.

Russell, M. G.; & Smorodinskaya, N. V. (2018). Leveraging complexity for ecosystemic innovation. Technological Forecasting & Social Change 136, 114-131. DOI: doi.org/10.1016/j.techfore.2017.11.024.

Russell, M.G., Still, K.; Huhtamäki, J.; Yu, C.; & Rubens, N. (2011). Transforming Innovation Ecosystems through Shared Vision and Network Orchestration. Proceedings of Triple Helix IX Conference. Stanford University. Recuperado de https://www.semanticscholar.org/paper/Transforming-Innovation-Ecosystems-through-Shared-Russell-Still/1b85479aa022934607d4bf7634d0e1dbbdceb248. Acesso em 21 de agosto de 2019.

Silva, A.L.S.; Cruz, C.A.B.; Mendonça, V.M.; Santos, P.R.; Gomes, I.M.A.; & Paixão, A.E. (2018). Mecanismos de Geração de Empreendimentos: As Aceleradoras de Start-Ups no Brasil. Revista GEINTEC: Gestão, Inovação e Tecnologias 8, 4187-4199. DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v8i1.1262

Spinosa, L. M., Schlemm, M. M., & Reis, R. S. (2015). Brazilian innovation ecosystems in perspective: Some challenges for stakeholders. Revista Brasileira de Estratégia, 8(3), 386-400. DOI: 10.7213/rebrae.08.003.AO08.

Tsujimotoa, M; Kajikawa, Y; Tomita, J; & Matsumoto, Y. (2018). A Review of The Ecosystem Concept — Towards Coherent Ecosystem Design. Technological Forecasting & Social Change 136, 49-58.DOI: doi.org/10.1016/j.techfore.2017.06.032.

Yin, R. (2005). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v10i1.1767

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1