Indicadores e Sustentabilidade Favorecem a Criação de Empresas?

Andrezza Aparecida Saraiva Piekas, Carlos Eduardo Carvalho, Hilka Pelizza Vier Machado, Eduardo Kunzel Teixeira

Resumo


Objetivo: Analisar a relação entre indicadores de sustentabilidade e a criação de empresas.

Método: Este estudo caracteriza-se como quantitativo e explicativo. Tanto a modelagem das relações quanto os testes de hipótese foram executados por meio de análise de regressão a partir de dados secundários. Dois modelos foram testados utilizando cinco variáveis. Os dados secundários, quanto aos indicadores de sustentabilidade, foram coletados nas bases de dados da Federação Catarinense de Municípios (FECAM) a partir do Sistema de Indicadores de Desenvolvimento Municipal Sustentável (SIDEMS). Os dados referentes à criação de empresas em cada município foram obtidos junto à Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC).

Originalidade/Relevância: Este estudo apresenta evidências de que, além da influência de aspectos associados ao ambiente nacional, o meio local, representado pelo município, influencia positivamente a criação de empresas.

Resultados: Constatou-se que o Índice de Desenvolvimento Municipal Sustentável (IDMS) influenciou o número de empresas criadas nos municípios catarinenses. Variações percentuais no índice de desenvolvimento sustentável causam variações percentuais mais do que proporcionais no número de empresas criadas. As dimensões que exerceram maior impacto na relação estudada foram a sociocultural e a ambiental.

Contribuições teóricas/metodológicas: Esta pesquisa traz uma contribuição para os campos de estudo em Empreendedorismo e Sustentabilidade ao demonstrar que municípios com maiores indicadores de sustentabilidade tendem a criar maior número de empresas. Isso demonstra a importância de políticas públicas municipais voltadas ao desenvolvimento sustentável.


Palavras-chave


Empreendedorismo; Desenvolvimento Local Sustentável; Criação de Empresas

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Barbieri, J. C. (2008) Desenvolvimento e Meio Ambiente: as estratégias de mudanças da Agenda 21. Petrópolis: Vozes.

Barros, A. A., & Pereira, C. M. M. A. (2008). Empreendedorismo e Crescimento Econômico: Uma análise empírica. Revista de Administração Contemporânea, v. 12, n. 4, pp. 975-993.

Binder, J. K., & Belz, F. M. (2015). Sustainable entrepreneurship: what is it. In: Kyrö, P. Handbook of Entrepreneurship and Sustainable Development. Northampton: Edward Elgar.

Bruin, A., Brush, C. G., & Welter, F. (2007). Advancing a framework for coherent research on women's entrepreneurship. Entrepreneurship: Theory & Practice, v. 31, n. 3, pp. 323-339.

Carree, M. A., & Thurik, A. R. (2006). The Handbook of Entrepreneurship and Economic Growth. International Library of Entrepreneurship. Cheltenham, MA: Edward Elgar.

Cohen, B., Smith, B., & Mitchell, R. (2006). Toward a sustainable conceptualization of dependent variables in entrepreneurship research. Business Strategy and the Environment, v. 17, n. 2, pp. 107-119.

Dean, T. J., & Mcmullen, J. S. (2007). Toward a theory of sustainable entrepreneurship: reducing environmental degradation through entrepreneurial action. Journal of Business Venturing, v. 22, n. 1, pp. 50-76.

Elkington, J. (1997). Cannibals with forks – Triple bottom line of 21st century business. StoneyCreek, CT: New Society Publishers.

Ferreira, L. C. (1998). A Questão Ambiental: sustentabilidade e políticas públicas sustentabilidade e políticas públicas no Brasil no Brasil. São Paulo: Boitempo.

FECAM. Federação Catarinense de Municípios (2017). Sistema de Indicadores de Desenvolvimento Municipal Sustentável (SIDMS). Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2017.

FECAM. Federação Catarinense de Municípios (2017). Metodologia das variáveis do IDMS. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2018.

Fisher, G. (2012). Effectuation, Causation and Bricolage: A behavior comparative of emerging theories in Entrepreneurship Research. Entrepreneurship, Theory and Practice, v. 36, n. 5, pp. 1019-1051.

Fischer, M. M., & Nijkamp, P. (2018). The Nexus of Entrepreneurship and Regional Development. Working Papers in Regional Science. WU Vienna University of Economics and Business, Vienna. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2018.

Fox, J., & Fox, J. (2016). Applied regression analysis and generalized linear models. 3. ed. Los Angeles: SAGE Publications.

Fox, J., Weisberg, S., & Fox, J. (2011). An R companion to applied regression. 2. ed. Thousand Oaks, Calif: SAGE Publications.

Fritsch, M. (2013). New Business Formation and Regional Development: a Survey and Assessment of the evidence. Foundations and Trends in Entrepreneurship, v. 9, n. 3, pp. 249-364.

Gartner, W. B. (1985). A conceptual Framework for defining the Phenomenon of Entrepreneurship. Academy of Management Review, v. 10, pp. 696-706.

Getz, D. (2000). Explore Wine Tourism: management, development & destinations. Cognizant Communication Corp.

Glaeser, E. L. (2010). Agglomeration economics. Chicago: The University of Chicago Press.

Hisrich, R. D., Peters, M. P., & Shepherd, D. A. (2009). Empreendedorismo. 7. ed. Porto Alegre: Editora Bookman.

Julien, P. A. (2010). Empreendedorismo regional e economia do conhecimento. São Paulo: Saraiva.

Keeler, M., & Burke, B. (2010). Fundamentos de projeto de edificações sustentáveis. Porto Alegre: Bookman.

Kirzner, I. M. (1973). Competition and entrepreneurship. Chicago: University of Chicago Press.

Kuckertz, A., & Wagner, M. (2010). The influence of sustainability orientation on entrepreneurial intentions: investigating the role of business experience. Journal of Business Venturing, v. 25, n. 5, pp. 524-539.

Liamas-Sánchez, R., Muñoz-Fernández, A., Maraver-Tarifa, G., & Senés-García, B. (2010). El papel de las ciudades en el desarrollo sostenible: el caso del programa ciudad 21 en Andalucía (España). Revista Latinoamericana de Estudios Urbano Regionales–EURE, v. 41, n. 123, pp. 29-51.

Morris, M. H., Neumeyer, X., & Kuratko, D. F. (2015). A portfolio perspective on Entrepreneurship and Economic Development. Small Business Economics, v. 45, pp. 713-728.

Nourry, M. (2008). Measuring sustainable development: some empirical evidence for France from eight/alternative indicators. Ecological Economics, v. 67, n. 3, pp. 441-456.

ONU. (2001). Indicators of sustainable development: Guidelines and methodologies. New York: UM.

ONUBR. (2015). 17 Objetivos para transformar nosso mundo. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2017.

R Core Team. R: A (2016). Language and Environment for Statistical Computing. Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2018.

Rezende, J. F. C, & Sinay, M. C. F. (2016). Methodology for leading indicators on sustainable regional development. Revista de Administração Pública, v. 50, n. 3, pp. 395-423.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Rosenthal, S. S., & Strange, W. C. (2003). Geography, industrial organization, and agglomeration, Review of Economics and Statistics.

RStudio Team. RStudio (2015). Integrated Development Environment for R. Boston, MA: RStudio.

Sachs, I. (2008). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. 2. ed. Rio de Janeiro: Garamond.

Sarason, Y., Dean, T., & Dillard, J. (2006). Entrepreneurship as the nexus of individual and opportunity: a restructuration view. Journal of Business Venturing, v. 21, n. 3, pp. 286-305.

Sarasvathy, S. D. (2008). Effectuation elements of entrepreneurial expertise. Great Britain: Edward Elgar Publishing.

Saz-Gil, M. I., & Gómez-Quintero, J. D. (2015). Una aproximación a la cuantificación y caracterización del capital social: una variable relevante en el desarrollo de la provincia de Teruel, España. Revista Latinoamericana de Estudios Urbano Regionales –EURE, v. 36, n. 109, pp. 63-88.

Schumpeter, J. A. (1934). The theory of economic development. Cambridge: Harvard University Press.

Secretaria de Estado da Fazenda de Santa Catarina. (2017). Relatórios - Estatísticas e Indicadores. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2017.

Segura, J. L. C., & Kantis, H. D. (2009). Nuevas empresas en América Latina: factores que favorecen su rápido crecimiento. Espanha: Universitat Autònoma de Barcelona.

Shane, S., & Venkataraman, S. (2000).The Promise of Entrepreneurship as a Field of Research. The Academy of Management Review, v. 25, n. 1, pp. 217-226.

Silva, J. F. B. A., Rebouças, S. M. D. P., Abreu, M. C. S., & Ribeiro, M. C. R. (2018). Construção de um índice de Desenvolvimento sustentável e análise espacial das desigualdades nos municípios cearenses. Revista de Administração Pública, v. 52, n. 1, pp. 149-168.

Silva, H. P., Silva, C. L., & Andrioli, C. C. (2011). Atividade econômica de celulose e papel e desenvolvimento local: a história da Klabin e do município de Telêmaco Borba, PR Interações, Campo Grande, v. 12, v. 2, pp. 137-148.

Sternberg, R. (2011). Regional Determinants of entrepreneurial activities – Theories and Empirical Evidences. In: Fritsch, M. Handbook of research on Entrepreneurship and Regional Development. Cheltenham: Edward Elgar.

Willer, E. M., Lima, J. F. & Staduto, J. A. R. (2008). Desenvolvimento local, empreendedorismo e capital social: o caso de Terra Roxa no estado do Paraná. Interações, Campo Grande, v. 9, n. 1, pp. 45-54.

Weisberg, S. (2014). Applied linear regression. 4. ed. Hoboken, NJ: Wiley.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v9i2.1670

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1