A Gestão da Inovação como prática: Contribuições do conceito de Gestão Ordinária

Bárbara do Nascimento Alves, Andreza de Amorim Lima Ferreira, Emanuela Ribeiro Lins, Elisabeth Cavalcante dos Santos

Resumo


Objetivo do estudo: O objetivo deste ensaio teórico é analisar as práticas de gestão ordinária como complemento às abordagens da gestão da inovação. Metodologia/abordagem: Realizou-se uma pesquisa exploratória através de um levantamento bibliográfico. Principais resultados: A gestão ordinária como auxiliadora das abordagens da gestão da inovação explica como os indivíduos podem fazer diversas atividades de forma coletiva e contextualizada para conseguir realizar todo o trabalho da inovação, podendo dar oportunidades ao gestor para conduzir e reposicionar as atividades que são realizadas no cotidiano organizacional. Contribuições teóricas / metodológicas: Esta pesquisa apresenta relevante discussão de como o trabalho diário das pessoas que compõem a organização permite construir um conhecimento mais apurado acerca de todos os processos que envolvem a complexidade da inovação. Relevância /originalidade: A noção de gestão ordinária pode ser uma ferramenta teórica útil para se apreender a gestão da inovação na prática e lançar um novo olhar para entender a organização e suas interações, considerando esta como um processo, onde as diversas formas de fazer e saber dos indivíduos são importantes para o trabalho real da inovação. Contribuições sociais / para a gestão: A relação entre as abordagens da gestão da inovação e da gestão ordinária dá maior atenção ao trabalho dos indivíduos nos processos de inovação, assim como passa a considerar as idiossincrasias presentes no ambiente organizacional de contextos periféricos.


Palavras-chave


Gestão da Inovação; Gestão Ordinária; Práticas do Cotidiano

Referências


Adams, R., Bessant, J., & Phelps, R. (2006). Innovation management measurement: a review. International Journal of Management Reviews, 8(1), 21-47.

Baregheh, A., Rowley, J., & Sambrook, S. (2009). Towards a multidisciplinary definition of innovation. Management Decision, 47(8), 1323-1339.

Barros, A., & Carrieri, A. P. (2015). O cotidiano e a história: construindo novos olhares na administração. Revista de Administração de Empresas, 55(2),151-161.

Bispo, M. (2013). Estudos Baseados em Prática: conceitos, história e perspectivas. In: RIGS - Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 2(1),13-33, jan./abr.

Bispo, M., Soares, L. C., & Cavalcante, E. D. (2014). Panorama dos estudos sobre prática no Brasil: uma análise da produção. In. Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 38, (Anais...) Rio de Janeiro: ANPAD.

Bispo, M. (2015). Methodological Reflections on Practice-Based Research in Organization Studies. In. BAR-Brazilian Administration Review, Rio de Janeiro, 12(3), art. 5, 309-323, jul./set.

Brasil. (2004). Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004 – Lei da Inovação. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências.

Bin, A., & Salles-Filho, S. L. M. (2012). Science, technology and innovation management: contributions to a methodological framework. Journal of Technology Management and Innovation, 7(2), 73-86.

Carrieri, A. P., Perdigão, D. A., & Aguiar, A. R. C. (2014) A gestão ordinária dos pequenos negócios: outro olhar sobre a gestão em estudos organizacionais. Revista de Administração. São Paulo, 49(4), 698-713, out./dez.

Carrieri, A., Perdigão, D., Martins, P., & Aguiar, A. R. C. (2018). A Gestão Ordinária e suas práticas: o caso da Cafeteria Will Coffee. Revista De Contabilidade E Organizações, 12, e141359.

Carvalho, H. G., Reis, D. R., & Cavalcante, M. B. (2011). Gestão da Inovação. Curitiba: Aymará.

Certeau, M. (1998). A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3. ed. Rio de Janeiro: Vozes.

Cooper, R. G. (1994). Third-Generation New Product Processes. Journal of Product Innovation Management, 11, 3-14.

Cohendet, P., & Simon, L. (2017). Concepts and Models of Innovation. The Elgar Companion to Innovation and Knowledge Creation, Cheltenham, Northampton, MA: Edward Elgar Publishing, 33-55.

Crossan, M. M., & Apaydin, M. (2010). A Multi-Dimensional Framework of Organizational Innovation: A Systematic Review of the Literature. Journal of Management Studies, 47(6),1154-1191.

Czarniawska, B. (2013). Organizations as obstacles to organizing.In: ROBICHAUD, D; COOREN, F. (eds.) Organizations and organizing: Materiality, agency, and discourse. New York: Routledge, 3-22.

Da Silva, D. O., Bagno, R. B., & Salerno, M. S. (2014). Modelos para a gestão da inovação: revisão e análise da literatura. Production, 24(2), 477-490.

Dougherty, D. (2017). Innovation in the Practice Perspective. The Elgar Companion to Innovation and Knowledge Creation, Cheltenham, Northampton, MA: Edward Elgar Publishing,138-151.

Duarte, M. F., & Alcadipani, R. (2016). Contribuições do organizar para os estudos organizacionais. In: Organizações e Sociedade. Salvador, 23(76), 57-72, jan./mar.

Fayter, E. A. (Org.). (2010). Gerenciar a Inovação: um desafio para as empresas. Curitiba: IEL/PR.

Feldman, M., & Pentland, B. (2003). Reconceptualizing Organizational Routines as a Source of Flexibility and Change. Administrative Science Quarterly, 48, 94–118.

Gavira, M. O. (2008). Gestão da inovação em subsidiárias de multinacionais do setor eletroeletrônico instalado no Brasil. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, São Paulo.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisas. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Glückler, J., & Bathelt, H. (2017). Institutional Context and Innovation. The Elgar companion to innovation and knowledge creation, Cheltenham, Northampton, MA: Edward Elgar Publishing, 121–13.

Gouvêa, J. B., Cabana, R. P. L., & Ishikawa, E. Y. (2018). As histórias e o cotidiano nas organizações: uma possibilidade de dar ouvidos àqueles que o discurso hegemônico cala. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 5(12), 297-347.

Godin, B. (2017). A Conceptual History of Innovation. the elgar companion to innovation and knowledge creation, Cheltenham, Northampton, MA: Edward Elgar Publishing, 25-32.

Grandori, A. (2010). A Rational Heuristic Model of Economic Decision Making. rationality and society, 22, 477–504, Italy.

Grant, D. et al. (2004). Introduction: organizational discourse: exploring the field. In: D. Grant, C. Hardy, C. Oswick, & L. Putnam (Eds). The sage handbook of organizational discourse,1-36. London: SAGE.

Héraud, J. A. (2017). Science and Innovation. The Elgar Companion to Innovation and Knowledge Creation, Cheltenham, Northampton, MA: Edward Elgar Publishing, 56-74.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2017). Fundamentos de Metodologia Científica. 8. ed. São Paulo: Atlas.

Latour, B. (2011). What’s the story?Organizing as a mode of existence. In: Passoth, J. H.; Peuker, B.; Schillmeier, M. (Org.). Agency without actors? New approaches to collective action. London: Routledge.

Lopes, A. P. V. B. V. et al. (2012). Innovation management: a literature review about the evolution and the diferente innovation models. International Conference on Industrial Engineering and Operations Management, 1-8, jul.9-11, Guimarães, Portugal. Proceedings. Rio de Janeiro: ABEPRO.

Machado, N. S., Luchese, G. T., & Bencke, F. F. (2019). Gestão da Inovação: O caso da celulose Irani (SC). RASI, Rio de Janeiro, 5(1), 57-76, jan./ab.

Martins, J. S. (2008). A sociabilidade do homem simples: cotidiano e história na modernidade anômala. São Paulo: Contexto.

Mendes, D. R. F., De Oliveira, M. Â. C., & Pinheiro, A. A. (2013). Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação: avaliação do marco regulatório e seus impactos nos indicadores de inovação. REGEPE - Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 2(1), 22-46.

Miettinen, R., Samra-Fredericks, D., & Yanow, D. (2009). Return to Practice: an introductory essay. Organization Studies, 30(12), 1309-1327.

Nicolini, D. (2013). Practice theory, work, & organization: an introduction. Oxford: Oxford University Press.

Organisation For Economic Co-Operation and Development – (OECD). (2005). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Rio de Janeiro: ARTI/FINEP.

O’Connor, G. C. et al. (2008). Grabbing Lightning: Building a Capability for Breakthrough Innovation. San Francisco: John Wiley Sons.

Pfitzner, M. S., Salles-Filho, S. L. M., & Brittes, J. L. P. (2016). Gestão da Inovação Tecnológica nas Organizações: Proposta de um Modelo Teórico-Conceitual Aplicável a Empresas do Setor Elétrico Brasileiro. Desafio Online, 2(1),131-150.

Pimentel, R., & Nogueira, E. E. S. (2018). Estudos baseados na prática: possibilidades metodológicas para pesquisas em estudos organizacionais. Organizações e Sociedades, 25(86), 350-370, jul./ set.

Pugh, S. (1991). Total design: integrated methods for successful product engineering. Harlow: Addison Wesley.

Quadros, R. (2008). Aprendendo a inovar: padrões de gestão da inovação tecnológica em empresas industriais brasileiras.

Reichert, F. M., Camboim, G. F., & Zawislak, P. (2015). A. Capacidades e

Trajetórias de Inovação de Empresas Brasileiras. RAM – Revista de Administração Mackenzie. São Paulo. (15)5,161-194.

Sá. M. G. (2018). Filhos das Feiras: uma composição do campo de negócios agreste. Recife: Fundação Joaquim Nabuco. Editora Massangana.

Santos, L. L. S., & Silveira, R. A. (2015). Por uma epistemologia das práticas organizacionais: A contribuição de Theodore Schatzki. In: Organizações e Sociedade, 22(72), 79-98, jan./mar.

Schumpeter, J. A. (1957). The theory of economic development. Cambridge: Harvard University.

Salerno, M. S. et al. (2009). Organização e gestão da cadeia de valor expandida da empresa. In: Encontro Nacional de Engenharia De Produção – ENEGEP. Associação Brasileira de Engenharia de Produção, Salvador. Anais, 29.

Sandberg, J., & Tsoukas, H. (2011). Grasping the logic of practice: Theorizing through practical rationality. Academy of Management Review, 36(2), 338-360.

Silva, G., & Dacorso, A. L. R. (2013). Inovação aberta como uma vantagem competitiva para a micro e pequena empresa. Revista de Administração e Inovação (RAI), 10(3), 251-269.

Schon, D. (1983). The Reflective Practitioner: How Professionals Think in Action, New York: Basic Books.

Silva, D. O. et al. (2014). Modelos para gestão da inovação: revisão e análise da literatura. Production, 24(2), 477-490, apr./jun.

Smith, M. et al. (2008). Factors influencing and organisation’s ability to manage innovation: a structured literature review and conceptual model. International Journal of Innovation Management, 12(4), 655-676.

Schatzki, T. R. (2003). A new societist social ontology. Philosophy of the social sciences, 33(2), 174-202.

Schatzki, T. R. (2006). On Organizations as they happen. Organization Studies.

Terra, J. C. et al. (2012). 10 dimensões da gestão da inovação: uma abordagem para a transformação organizacional. Rio de Janeiro: Campus.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2008). Gestão da Inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Vargas, R. A., & Junquilho, G. S. (2013). Funções administrativas ou práticas? As “artes do fazer” gestão na Escola Mirante. Revista de Ciências da Administração, 15(35), 180-195.

Zabala-Iturriagagoitia, J.M. (2014). Innovation management tools: implementing technology watch as a routine for adaptation. Technology Analysis & Strategic Management, 26(9),1073–1089.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v10i1.1862

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1