Empreendedorismo Corporativo em Organizações Públicas

Robson Paulo Ribeiro Ferras, Fernando César Lenzi, Silvio Roberto Stefano, Flávio Ramos

Resumo


Esta pesquisa objetivou analisar as competências empreendedoras corporativas dos servidores e da cultura estabelecida em uma Universidade Pública. A pesquisa é classificada como quantitativa, analítica e descritiva. Foram realizados testes estatísticos e análises, considerando a confiabilidade de 95%: Qui-Quadrado, Alfa de Cronbach, ANOVA, Teste t, Análise de Cluster, Tau de Kendall (τ) e correlação. As análises estatísticas demonstraram que, na instituição pesquisada, não predominou a correlação entre os fatores de influência sobre a cultura intraempreendedora e as competências empreendedoras corporativas dos profissionais. Os resultados indicaram que o estímulo à inovação na organização requer estratégias voltadas tanto ao desenvolvimento das competências empreendedoras dos profissionais, como também à cultura interna da instituição.


Palavras-chave


Empreendedorismo Corporativo; Competências Empreendedoras; Cultura Intraempreendedora

Texto completo:

PDF

Referências


Barbetta, P. A. (1999). Estatística aplicada às ciências sociais. 3. ed. Florianópolis: Editora da UFSC.

Bellone, C. J., & Goerl, G. F. (1992). Reconciling public entrepreneurship and democracy. In: Public Administration Review. v. 52. n. 2. p. 130-134. Disponível em: Acesso em: 15 jun. 2016.

Bernier, L., & Hafsi, T. (2007). The changing nature of public entrepreneurship. In: Public Administration Review. p. 488-503. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2016.

Bracht, D. E., & Werlang, N. B. (2015). Competências empreendedoras: uma investigação com produtores rurais catarinenses. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 4, n. 1, p. 101-124.

Bruni, A. L. (2011). Estatística Aplicada à Gestão Empresarial. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Cooley, L. (1990). Entrepreneurship Training and the Strengthening of Entrepreneurial Performance. Final Report. Contract No. Washington: USAID.

Dornelas, J. C. A. (2003). Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar em organizações estabelecidas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Drucker, P. F. (1993). Sociedade pós-capitalista. Tradução: Nivaldo Montingelli Jr. 3. ed. São Paulo: Pioneira.

Drucker, P. F. (1987). Inovação e espírito empreendedor – entrepreneurship: prática e princípios. Tradução: Carlos Malferrari. 3. ed. São Paulo: Pioneira.

Festa, M. P. (2015). Gestão e cultura intraempreendedora: um estudo sobre práticas gerenciais que promovem a inovação. Caderno Profissional de Administração – UNIMEP, v.5, n.1, p. 41-58.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS. Tradução: Lorí Viali. 2. ed. Porto Alegre: Artmed.

Filion, L. J. (2004). Entendendo os intraempreendedores como visionistas. Revista de Negócios [online]. v. 9, n. 2, p. 65-80. Blumenau: abr./jun. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2016.

Filion, L. J. (1999). Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração da USP - RAUSP. São Paulo, v. 34, n. 2, abr./jun., p. 5-28. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2016.

Fleury, A., & Fleury, M. T. L. (2010). Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópio da indústria brasileira. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Fumagalli, L. A. W., Del Corso, J. M., Silva, W. V., & Costa, I. C. da. (2015). Intraempreendedorismo: um estudo das relações entre cultura organizacional e a capacidade de empreender nas empresas. n.d. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2015.

Hair Junior, J. F., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Tradução: Lene Belon Ribeiro. Porto Alegre: Bookman.

Hashimoto, M., Andreassi, T., Artes, R., & Nakata, L. E. (2010). Relações entre intraempreendedorismo, clima organizacional e desempenho financeiro: um estudo sobre as melhores empresas para se trabalhar no Brasil. In: XXXIV Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2016.

Hisrich, R. D., & Peters, M. P. (2004). Empreendedorismo. 5. ed., Porto Alegre: Bookman.

Le Boterf, G. (2003). Desenvolvendo a competência dos profissionais. Tradução: Patrícia Chittoni Ramos Reuillard. Porto Alegre: Artmed.

Lenzi, F. C., Lana, J., Orlandi, C., Camargo, M., & Branco, M. A. (2013). A relação das competências empreendedoras e da conduta intraempreendedora no setor de serviços educacionais. In: Pensamento contemporâneo em administração. v. 7. n. 2. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2016.

Lenzi, F. C., Ramos, F., Maccari, E. A., & Martens, C. D. P. (2012). O desenvolvimento de competências empreendedoras na administração pública: um estudo com empreendedores corporativos na prefeitura de Blumenau, Santa Catarina. In: Gestão & Regionalidade. v. 28, n. 82, p. 117-130, Maio-Agosto. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2016.

Lenzi, F. C., Santos, S. A., Casado, T., & Rodrigues, L. C. (2011). Talentos inovadores na empresa: como identificar e desenvolver empreendedores corporativos. Curitiba: Ibpex.

Lenzi, F. C. (2008). Os empreendedores corporativos nas empresas de grande porte dos setores mecânico, metalúrgico e de material elétrico/comunicação em Santa Catarina: um estudo da associação entre tipos psicológicos e competências empreendedoras reconhecidas. Tese (Doutor em Administração) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Tradução: Laura Bocco. 4. ed. Porto Alegre: Bookman.

Maroco, J. (2003). Análise estatística: com utilização do SPSS. 2. ed. Lisboa: Edições Sílabo.

Mello, S. C. B., Leão, A. L. M. S., & Paiva Junior, F. G. (2006). Competências empreendedoras de dirigentes de empresas brasileiras de médio e grande porte que atuam em serviços da nova economia. In: Revista de Administração Contemporânea. [online]. v. 10. n. 4. p. 47-69. out./dez. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2016.

Moriano, J. A., Topa, G., Valero, E., & Lévy, J. P. (2009). Identificación organizacional y conducta “intraemprendedora”. In: Anales de Psicología. v. 25. n. 2. p. 277-287. Dec. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2016.

Nienkoetter, E. A. S., & Cruz, H. A. (2012). Intraempreendedorismo: uma análise no setor público sobre o turismo cultural Paisagístico Religioso, em São Bonifácio/SC. In: IX Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Resende, Disponível em: http://www.aedb.br/seget/artigos12/55716697.pdf>. Acesso em: 11 jun. 2016.

Pagnoncelli, V., Zampier, M. A., & Stefano, S. R. (2014). Competências empreendedoras de proprietários franqueados de escolas de idiomas do interior do Paraná. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 3(3), 129-160.

Pinchot, G., & Pellman, R. (2004). Intra-empreendedorismo na prática: um guia de inovação nos negócios. Tradução: Márcia de Andrade Nascentes da Silva. Rio de Janeiro: Elsevier.

Pinchot, G. (1985). Intrapreneuring: por que você não precisa deixar a empresa para se tornar um empreendedor. Tradução: Nivaldo Montingelli Jr. São Paulo: Harbra.

Pires, J. C. S., & Macêdo, K. B. (2005). Cultura Organizacional em Organizações Públicas no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2016.

Piscopo, M. R. (2010). Empreendedorismo corporativo e competitividade em empresas de base tecnológica. In: Revista de Administração e Inovação. v. 7. n. 1. p. 127-141. São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2016.

Roberts, N. C. (1992). Public entrepreneurship and innovation. In: Review of Policy Research. v. 11, p. 55-74. Disponível em:. Acesso em: 15 jun. 2016.

Schein, E. H. (1999). Sense and nonsense about culture and climate. In: Commentary for Handbook of Culture and Climate. set. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2016.

Schein, E. H. (1985). Organizational Culture and Leadership. San Francisco, Jossey-Bass.

Schumpeter, J. A. (1982). Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Tradução: Maria Sílvia Possas. São Paulo: Abril Cultural.

Seiffert, P. Q. (2005). Empreendendo novos negócios em corporações: estratégias, processo e melhores práticas. São Paulo: Atlas.

Silva, E. L., & Menezes, E. M. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2016.

Souza, I. M. (2008). Empreendedorismo na Gestão Universitária. 2008. Disp. em: http://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/61475/Empreendedorismo%20na %20Gest%C3%A3o%20Universit%C3%A1ria.pdf?sequence=1>. Acesso em: 14 jun. 2013.

Spencer Jr., L. M., & Spencer, S. M. (1993). Competence at Work: models for superior performance. New York: John Wiley and Sons.

Stefano, S. R. (Org.) (2011). Gestão de pessoas: fundamentos e aplicações. Guarapuava: Unicentro.

Toledo, G. L., & Ovalle, I. I. (1995). Estatística básica. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Trujillo, V. (2001). Pesquisa de mercado qualitativa e quantitativa. São Paulo: Scortecci.

Vergara, S. C. (2010). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 12. ed. São Paulo: atlas.

Wolf, S. M., Machado, E., Melo, M. B. de, Franzoni, A. M. B., & Candido, M. S. (2011). Intraempreendedorismo em instituições de ensino público: o caso da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. In: XI Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2016.

Zarifian, P. (2001). Objetivo competência: por uma nova logica. Tradução: Maria Helena C. V. Trylinski. São Paulo: Atlas.




DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v7i2.593

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia