Discurso e Empreendedorismo Social: O que a Prática de Estudantes Engajados em Projetos Sociais pode Revelar?

Andrea Aparecida da Costa Mineiro, Fernanda Junia Dornela, Isabel Cristina da Silva Arantes, Juliano Silva Cougo

Resumo


Objetivo do estudo: Este estudo objetiva compreender, sob a ótica da Análise Crítica do Discurso (ACD), as concepções discursivas dos estudantes sobre a experiência prática de projetos sociais na disciplina de Empreendedorismo Social (ES) do curso de Administração da UNIFEI-MG.  

Metodologia/abordagem: Assim como sugere Norman Fairclough (2001; 2003), considerou-se o discurso como uma prática social e, foram analisadas as práticas textuais, discursivas e sociais dos estudantes investigados. Os discursos foram coletados por meio da realização de dois grupos focais e os resultados analisados com base na ACD.

Principais resultados: Os resultados apontam que há divergências nas produções discursivas de ambos os grupos de estudantes, sendo que o grupo com alto aproveitamento acadêmico revela um discurso pautado na racionalidade substantiva, com emoção, intensidade e se baseia em valores direcionados a um bem coletivo. Em contraste, o grupo que obteve baixo aproveitamento acadêmico se pauta na racionalidade instrumental, e na necessidade de se trabalhar por um retorno financeiro.

Contribuições teóricas/metodológicas: Evidenciou-se que as concepções discursivas externalizadas refletem a prática discursiva do ES, mas ao mesmo tempo demarcam o discurso gerencial hegemônico da Administração e sua lógica instrumental.

Relevância/originalidade: Kedmenec et al. (2016) e Shahverdi et al. (2018) reforçam a relevância da incorporação do conteúdo discursivo de ES nos cursos tradicionais. Constata-se que o ES é capaz de proporcionar soluções efetivas para diversos problemas sociais, econômicos e ambientais, na perspectiva de valorização do caráter humanitário e da emancipação social (Shahverdi et al., 2018).




Palavras-chave


Empreendedorismo Social; Análise Crítica do Discurso (ACD); Curso de Administração

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Aktouf, O. (2004). Pós-globalização, administração e racionalidade econômica: a síndrome do avestruz. São Paulo: Atlas.

Andrade, L. P., Brito, M. J., Brito, V. G. P., & Baeta, O. V. (2016). Estratégia como prática: uma análise das práticas ambientalistas da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Revista de Gestão Social e Ambiental, 10(2), 2-18.

Austin, J., Stevenson, H., & Wei-skillern, J. (2012). Social and commercial entrepreneurship: same, different, or both? Revista de Administração, 47(3), 370-384.

Bolis, I., Morioka, S. N., & Sznelwar, L. I. (2017). Are we making decisions in a sustainable way? A comprehensive literature review about rationalities for sustainable development. Journal of Cleaner Production, 145, 310-322.

Campos, T. M., Martens, C. D. P., Resende, M. R., Carmona, V. C., & Lima, E. (2012). Produção científica brasileira sobre empreendedorismo social entre 2000 e 2012. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 1(2), 60-89.

Candau, V. M. (2012). A didática e a formação de educadores – da exaltação à negação: a busca da relevância. 33a ed. Petrópolis: Vozes.

Chauí, M. S. (2001). Escritos sobre a universidade. São Paulo: Unesp.

Fairclough, N. (1989). Language and power. London: Longman.

Fairclough, N. (2001). Discurso e mudança social. Brasília: Editora da UnB.

Fairclough, N. (2003). Discurso e mudança social. In Magalhães, I. (Org.). Brasília: Universidade de Brasília.

Fairclough, N., & Wodak, R. (1997). Critical discourse analysis. In Van Dijk, T. A. (Ed.). Discourse as social interaction (pp. 258-284). London: Sage.

Faria, J. H., & Meneghetti, F. K. (2010). (Sem) saber e (com) poder nos estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, 8(1), 38-52.

Franco, M. A. S., & Pimenta, S. G. (2016). Didática Multidimensional: Por uma Sistematização Conceitual. Educação e Sociedade, 37(135), 539-553.

Hisrich, R., Peters, M., & Shepherd, D. (2014). Empreendedorismo. 9a ed. Porto Alegre: AMGH.

Hopkins, D. (2007). Social entrepreneurship: “real world” activations of the liberal arts education. Recuperado de http://sites.middlebury.edu/middlab/files/2011/01/David-Hopkins-Social-Entrepreneurship-Research-Paper.pdf.

Irigaray, H. A. R., Cunha, G. X., & Harten, B. A. (2016). Missão organizacional: o que a análise crítica do discurso revela? Cad. EBAPE.BR, 14(4), 920-933.

Kedmenec, I., Rebernik, M., & Tominc, P. (2016). Social Entrepreneurship Education and Its Association with Perceived Desirability and Feasibility of Social Entrepreneurship among Business Students. Croatian Journal of Education, 18(4), 1035-1065.

Keohane, G. L. (2012). Social Entrepreneurship for the 21st Century. New York: Mcgraw-Hill Professional.

Magalhães, I. (2005). Introdução: a análise de discurso crítica. Delta: Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, 21(SPE), 1-9.

Oliveira, E. M. (2004). Empreendedorismo social no Brasil: atual configuração perspectiva e desafios. Revista FAE, 7(2), 9-18.

Oliveira, F. B., Sant’anna, A. S., & Diniz, D. M. (2014). Contribuição dos cursos de graduação em administração: desenvolvimento de lideranças socialmente responsáveis? Revista Economia e Gestão, 14(34), 137-167.

Ramalho, V. C. V. S. (2005). Constituição da Análise de Discurso Crítica: um percurso teórico-metodológico. Signótica, 17(2), 275-298.

Ramos, A. G. (1989). A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: FGV.

Rangel, M. (2010). Fundamentos Pedagógicos: Referências significativas comuns ao ensino nas áreas de estudo gerais e profissionalizantes. Boletim Técnico do Senac: A Revista da Educação Profissional, 36(3), 15-23.

Resende, V. M., & Ramalho, V. C. V. S. (2004). Análise de Discurso Crítica, do modelo tridimensional à articulação entre práticas: implicações teórico-metodológicas. Linguagem em (Dis)curso, 5(1), 185-207.

Resende, V. M., & Ramalho, V. (2011). Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto.

Rey-Marti, A., Ribeiro-Soriano, D., & Palacios-Marqués, D. A. (2016). Bibliometric analysis of social entrepreneurship. Journal of Business Research, 69(5), 1651-1655.

Ribeiro, D. A., & Sacramento, A. R. S. (2009). Ensino e currículo em administração: a opção brasileira. Gestão & Planejamento, 10(2), 193-205.

Rodrigues Jr., A. (2009). Análise crítica do discurso: modismo, teoria ou método? Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 9(1), 99-132.

Santos, L. M. L., & Galleli, B. (2013). O Ensino de Empreendedorismo Social nos Cursos de Administração das Universidades Públicas Brasileiras. Administração Pública e Gestão Social, 5(2), 71-79.

Schumpeter, J. (1985). Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Shahverdi, M., Ismail, K., & Qureshi, M. I. (2018). The effect of perceived barriers on social entrepreneurship intention in Malaysian universities: The moderating role of education. Management Science Letters, 8(5), 341-352.

Shane, S. (2002). The Foundations of Entrepreneurship. Massachusetts: Edward Elgar Publishing Limited.

Silva, A. V. (2009). Como empreendedores sociais constroem e mantêm a sustentabilidade de seus empreendimentos (Dissertação de Mestrado). Fundação Getúlio Vargas, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas [EBAPE], São Paulo, SP.

Thiry-Cherques, H. R. (2009). Max Weber: o processo de racionalização e o desencantamento do trabalho nas organizações contemporâneas. Revista de Administração Pública, 43(4), 897-918.

Tragtenberg, T. (2004). Sobre educação, política e sindicalismo. São Paulo: Editora Unesp.

Weise, A. D., Quadros, J. N., Rocha, R. A., Trierweiller, A. C., Peixe, B. C. S., & Barcellos, J. D. (2014). Análise comparativa dos cursos de graduação em administração na Alemanha, no Brasil e nos Estados Unidos da América. Revista de Administração da UFSM, 7(2), 279-295.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v9i3.1327

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1