Comportamento Empreendedor, a partir de Características Comportamentais e da Intenção Empreendedora

Cristiane Krüger, Lucas Feksa Ramos

Resumo


Objetivo do estudo: desenvolver um modelo difuso, para mensurar o comportamento empreendedor, a partir de características comportamentais e da intenção empreendedora.

Metodologia/abordagem: a pesquisa é aplicada, quantitativa, descritiva e exploratória. Para solucionar o problema levantado, instrumentos de coleta de dados já validados foram utilizados, compondo uma amostra de 2.519 respondentes. A modelagem fuzzy pautou a construção do modelo de mensuração.

Principais resultados: os métodos tradicionais de avaliação do comportamento empreendedor carregam um grau de incerteza e de subjetividade, quando envolvem diferentes variáveis independentes e incontroláveis. Diante dessa fragilidade, a modelagem fuzzy mostrou-se adequada, já que é uma ferramenta contributiva para a compreensão de tal comportamento.

Contribuições teóricas/metodológicas: a pesquisa contribui com a apresentação de um modelo diferenciado para a mensuração do comportamento empreendedor; e, igualmente, com sugestões para estudos futuros, que emergiram dos resultados.

Relevância/originalidade: o modelo difuso desenvolvido é mais detalhado e confiável, se comparado ao método tradicionalmente utilizado. A originalidade do estudo reside no desenvolvimento de um modelo fuzzy para medir o comportamento empreendedor.


Palavras-chave


Comportamento empreendedor; Intenção empreendedora; Modelo fuzzy

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Agarwal, S. & Jain, C. (2013). Customer oriented product selection using fuzzy approach. International Journal of Emerging Trends in Engineering and development, v. 3, n. 2, p. 234–247.

Ajzen, I. (2002). Residual effects of past on later behavior: Habituation and reasoned action perspectives. Personality and social psychology review, v. 6, n. 2, p. 107-122.

Ajzen, I. (1991). The theory of planned behavior. Organizational Behavior and Human Decision Processes, v. 50, p. 179-211.

Al-Jubari, I., Hassan, A., & Liñán, F. (2019). Entrepreneurial intention among University students in Malaysia: integrating self-determination theory and the theory of planned behavior. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 15, Ed. 4, pp 1323–1342. https://doi.org/10.1007/s11365-018-0529-0

Almeida, G. O. (2013). Valores, atitudes e intenção empreendedora: um estudo com universitários brasileiros e cabo-verdianos. Tese de doutorado (doutorado em Administração Pública e de Empresas). FGV, São Paulo.

Andrade, M. & Jacques, M. A. P. (2008). Estudo comparativo de controladores de Mamdani e Sugeno para controle de tráfego em interseções isoladas. Transportes, v. XVI, n. 2, p. 24-31, dezembro.

Bandura, A. (1982). Self-efficacy mechanism in human agency. American Psychology, v. 37, p. 122-147.

Bothe, H. H. (1997). Fuzzy Neural Networks. Seventh International Fuzzy Systems Association World Congress. Tutorials - IFSA, p. 1–387, June.

Boutillier, S. & Uzunidis, D. (2014). The theory of the entrepreneur: from heroic to socialised entrepreneurship. Journal of Innovation Economics & Management, n. 14, p. 9-40.

Brancher, I. B., Oliveira, E. M. & Roncon, A. (2012). Comportamento empreendedor: estudo bibliométrico da produção nacional e a influência de referencial teórico internacional. Internext, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 166-193, jan./jun.

Carneiro, C. A., Guimaraes, E. H. R., Maccari, E. A. & Storopoli, J. E. (2017). Study of Entrepreneurial Behavior of Managers in a Public Education Institution. Revista Ciencias Administrativas, v. 23, n. 3, p. 385-399.

Carneiro, P. D. P. (2008). Metodologia Fuzzy Aplicada para Predição do Comportamento Empreendedor. Dissertação de Mestrado (mestrado profissional em Administração). IBMEC, RJ.

Carreira, S. S., Franzoni, A. B., Esper, A. J. F., Pacheco, D. C. Gramkow, F. B. & Carreira, M. F. (2015). Empreendedorismo feminino: um estudo fenomenológico. NAVUS, v. 5, n. 2.

Carvalho, P. M. R. & Gonzáles, L. (2006). Modelo explicativo sobre a intenção empreendedora. Comportamento Organizacional e Gestão, v. 12, n. 1, p. 43-65.

Chen, S. (1985). Ranking fuzzy numbers with maximizing set and minimizing set. Fuzzy Sets and Systems. Fuzzy Sets and Systems, v. 17, p. 113-129.

Ching, H. Y. & Kitahara, J. R. (2015). Propensão a empreender: uma investigação quantitativa baseada nas características empreendedoras de alunos do curso de administração. Revista de Ciências da Administração, v. 17, n. 43, p. 99-111, dezembro.

Coan, M. (2011). Educação para o empreendedorismo: implicações epistemológicas, políticas e práticas. Tese (Doutorado em Administração). Universidade UFSC. PPGE. Florianópolis, SC.

Collis, J. & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Bookman.

Davidsson, P. (1995). Determinants of entrepreneurial intentions. In: Conferência Rent. Proceedings. Piacenza: Itália.

De Lima, J. F. (2017). Modelo fuzzy para avaliação de imóveis utilizando árvore de decisão. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Engenharia de Processos). PPGEP/ITEC. Belém.

Dennis, J. S., Thomas A. W. & David R. A. (2013). Estatística aplicada à administração e economia. 3. ed. São Paulo: Cengage Learning.

Engelman, R. & Fracasso, E. M. (2013). Contribuição das incubadoras tecnológicas na internacionalização das empresas incubadas. R. Adm. São Paulo, v. 48, n. 1, p. 165-178.

Esfandiar, K., Sharifi-Tehrani, M., Pratt, S., & Altinay, L. (2019). Understanding entrepreneurial intentions: A developed integrated structural model approach. Journal of Business Research, 94, 172-182.

Etzkowitz, H. (2013). Anatomy of the entrepreneurial university. Social Science Information, v. 52, n. 3.

Fayolle, A. & Liñán, F. (2014). The future of research on entrepreneurial intentions. Journal of Business Research, v. 67, n. 5, p. 663–666.

GEM, Global Entrepreneurship Monitor. (2017). Empreendedorismo no Brasil: 2016. Coordenação de Simara Maria de Souza Silveira Greco; diversos autores - Curitiba: IBQP.

Gomes, A. F. (2004). O perfil empreendedor de mulheres que conduzem seu próprio negócio: um estudo na cidade de Vitória da Conquista-BA. Alcance, v. 11, n. 2, p. 207-226.

Hair Jr., J. F., Black, W. C., Babin, B., Anderson, R. E. & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. 6a ed., A. Sant’Anna, Trad. Porto Alegre, RS: Bookman. Obra original publicada em 2006.

Hisrich, R. D., Peters, M. P. & Shepherd, D. A. (2014). Empreendedorismo. 9. ed. Porto Alegre: AMGH.

Kautonen, T., Gelderen, M. V. & Fink, M. (2015). Robustness of the theory of planned behaviour in predicting entrepreneurial intentions and action. Enterp. Theory Pract, v. 39, p. 655–674.

Krueger, N. F. & Carsrud, A. L. (1993). Entrepreneurial intentions: Applying the theory of planned behaviour. Entrepreneurship & Regional Development, v. 5, n. 3, p. 315-330.

Krueger, N. F., Reilly, M. D. & Carsrud, A. L. (2000). Competing models of entrepreneurial intentions. Journal of Business Venturing, v. 15, p. 411–432.

Krüger, C. (2017). Educação Empreendedora: características e atitudes de discentes e docentes. Dissertação de mestrado (mestrado em Administação). UFSM, Santa Maria.

Krüger, C., Pinheiro, J. P. & Minello, I. F. (2017). As características comportamentais empreendedoras de David McClelland. Revista Caribeña de Ciencias Sociales.

Leiva, J. C., Alegre, J. & Monge, R. (2014). The influence of Entrepreneurial learning in new Firms’ performance: a study in Costa Rica. Rev. Inovar, v. 24, edición especial.

Lima, E., Lopes, R. M. A., Nassif, V. M. J. & Silva, D. (2015). Oportunities to improve entrepreneurship education: contributions considering Brazilian Challenges. Journal of Small Business Management, v. 53, n. 4, p. 1033–105.

Liñán, F. & Chen, Y. (2006). Testing the Entrepreneurial Intention Model on a Two-Country Sample. Documents de Treball. Universitat Autònoma de Barcelona.

Liñán, F. & Chen, Y. (2009). Development and cross-cultural application of a specific instrument to measure entrepreneurial intentions. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 33, n. 3, p. 593-617, May.

Lopes, L. F. D. (2016). Métodos quantitativos. Ed. 1. Universidade Federal de Santa Maria.

Machado, M. A. S., Machado, M. A. S., Souza, R. C. & Tanscheit, R. (2007). Inteligência computacional aplicada à Administração, Economia e Engenharia em Matlab. Thomson, Rio de Janeiro.

Management Systems International (MSI). (1990). Entrepreneurship training and the strengthening of entrepreneurial performance. Final Report. Submetido por Robert Young, Washington.

Mansfield, R. S., McClelland, D. C., Spencer, J. L. M. & Santiago, J. (1987). The identification and assessment of competencies and other personal characteristics of entrepreneurs in developing countries. Final report. McBer and Compay. Massachusetts.

Matias, M. A. & Martins, G. A. (2012). Educação empreendedora em contabilidade. Revista Brasileira de Contabilidade, v. 41, p. 41-53.

Matias, M. A. (2010). Relação entre características empreendedoras e múltiplas inteligências: um estudo com contadores de Minas Gerais. Tese de doutorado (doutorado em Controladoria e Contabilidade. USP, São Paulo.

McClelland, D. C. (1972). A sociedade competitiva: realização e progresso social. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura.

McClelland, D. C. (1987). Characteristics of Successful Entrepreneurs. The Journal or Creative Behavior, v. 21, n. 3. p. 219-233.

McClelland, D. C. (1978). Managing motivation to expand human freedom. American Psychologist, Washington, v. 33, n. 1. p. 201-210, Mar.

Mendonça, M., Correa, E. C., Chrun, I. R. & Buss, O. (2015). Supervisory System and Multivariable Control Applying Weighted Fuzzy-PID Logic in an Alcoholic Fermentation Process. Semina, v. 36, n. 2, p. 95-108, jul./dez.

Minello, I. F. (2014). Resiliência e insucesso empresarial: o comportamento do empreendedor. Curitiba: Appris.

Moraes, M. B., Da Silva, A. A. C., Monteiro, R. C. R. V. & Mendrot, A. R. (2016). Intenção Empreendedora de Alunos de Graduação de uma Universidade Municipal do Estado de São Paulo. Anais do IX EGEPE. Passo Fundo.

Morales, J. F., Rebolloso, E. & Moya, M. (1994). Actitudes. Em J. F. Morales (Ed.), Psicología Social. Madrid, España: McGraw- Hill, p. 495-621.

Moriano, J. A., Palací, F. J. & Morales, J. F. (2007). The psychosocial profile of the university entrepreneur. Psychology in Spain, v. 11, n. 1, p. 72-84.

Nguyen, H. T. & Walker, E. A. (1997). A first course in difuso logic. USA, CRC Press.

Nassif, V. M. J., Hashimoto, M. & Amaral, D. J. (2014). Entrepreneurs Self-Perception of Planning Skills: Evidences from Brazilian Entrepreneurs. Revista Ibero-americana de Estratégia, v. 13, n, 4.

Oliveira, B. M. F., Vieira, A. D., Laguia, A. Moriano, J. A. & Soares, V. J. S. (2016). Intenção empreendedora em estudantes universitários: adaptação e validação de uma escala (QIE). IBAP, v. 15, n. 2, p. 187-196.

Raupp, F. M. & Beuren, I. M. (2011). Perfil do suporte oferecido pelas incubadoras brasileiras às empresas incubadas. REAd. Rev. eletrôn. Adm, v.17, n. 2, p. 330-359, Porto Alegre.

Rocha, E. L. C. & Freitas, A. A. F. (2014). Avaliação do ensino de empreendedorismo entre estudantes universitários por meio do perfil empreendedor. RAC, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, art. 5, p. 465-486, Jul./Ago.

Salhi, B. & Jemmali, M. (2018). Entrepreneurship Intention Scoring. Journal of Entrepreneurship Education, v. 21, n. 1.

Sampieri, R. H., Collado, C. F. & Lucio, M. del P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso.

Schaefer, R. (2018). Empreender como uma forma de ser, saber e fazer: o desenvolvimento da mentalidade e do comportamento empreendedores por meio da educação empreendedora. Tese de doutorado (doutorado em Administração). UFSM, Santa Maria.

Schaefer, R. & Minello I. F. (2017). A Formação de Novos Empreendedores: Natureza da Aprendizagem e Educação. Revista da Micro e Pequena Empresa FACCAMP, Campo Limpo Paulista, v. 11, n. 3 p. 2-20.

Schaefer, R. & Minello I. F. (2016). Educação Empreendedora: Premissas, Objetivos e Metodologias. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, jul./set. p. 60-81, 60.

Schlaegel, C. & Koenig, M. (2014). Determinants of Entrepreneurial Intent: A Meta‐Analytic Test and Integration of Competing Models. Entrepreneurship: Theory and Practice, v. 38, n. 2, p. 291-332.

Schmidt, S., et al. (2018). Students Entrepreneurial Behaviour: An Eight-Construct Scale Validation. International Journal of Entrepreneurship, v 22, n. 2, p. 1-20.

Sigette, E. R. (2017). Modelagem fuzzy como ferramenta para identificação de heurística e vieses cognitivos no processo de tomada de decisão do empreendedor social. Tese de Doutorado (Doutorado em Engenharia de Sistemas e Computação). COPPE, UFRJ: Rio de Janeiro.

Souza, R. S. (2015). Intenção Empreendedora: validação de escala e modelo em universidades federais de Mato Grosso do Sul. 2015. 113 p. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP.

Sugeno, M. (1985). An introductory survey of fuzzy control. Information Sciences, v. 36, p. 59-83.

Tanscheit, R. & Scharf, E. M. (1988). Experiments with the use of a rule-based self-organising controller for robotics applications. Fuzzy Sets and Systems, Holanda, v. 26, n. 2, p. 195-214.

Thompson, E. R. (2009). Individual entrepreneurial intente: constructo clarification and deelopment of na internationally reliable metric. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 33, n. 3, p. 669-694.

Vilas Boas, E. P. (2015). O comportamento do empreendedor e suas influências no processo de criação e no desempenho da empresa. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo. São Paulo.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v9i4.1544

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1