INFLUÊNCIA DO INVESTIMENTO ANJO NA TOMADA DE DECISÃO E NOS PROBLEMAS DE AGÊNCIA: UM ESTUDO DE CASO

Authors

  • Gustavo Simões Braga Universidade Federal do Paraná
  • Kessyane da Silva Novaes Horbucz Universidade Federal do Paraná
  • Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.14211/regepe.v4i1.212

Keywords:

Investimento anjo, teoria da agência, tomada de decisão

Abstract

Neste trabalho é analisado como a tomada de decisão dos investidores anjos afeta os conflitos de agência. O objetivo principal é entender, com base na Teoria da Agência, como o investimento anjo, a tomada de decisão de investimento e os agentes se relacionam, bem como identificar impactos positivos e negativos desta prática. Para isso, foram elaboradas proposições com o intuito de confirmar ou não tais conflitos de agência em uma empresa investida. A estratégia de pesquisa utilizada foi o estudo de caso, com seleção por representatividade qualitativa por ser um caso típico, a fim de analisar o investimento anjo na empresa Ecobike Courier. Como técnica de coleta de dados, foi realizada uma entrevista em profundidade com o sócio-fundador da empresa citada. Sendo assim, a participação na tomada de decisões por parte do investidor anjo é analisada com base nos problemas de agência, apontados por Damodaran (2002).

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Gustavo Simões Braga, Universidade Federal do Paraná

Mestrado - Programa de Pós-graduação em Administração.

Kessyane da Silva Novaes Horbucz, Universidade Federal do Paraná

Mestrado - Programa de Pós-graduação em Administração.

 

Ana Paula Mussi Szabo Cherobim, Universidade Federal do Paraná

Setor de Ciências Sociais Aplicadas - Programa de Pós-graduação em Administração.

Published

2015-06-02

How to Cite

Braga, G. S., Horbucz, K. da S. N., & Cherobim, A. P. M. S. (2015). INFLUÊNCIA DO INVESTIMENTO ANJO NA TOMADA DE DECISÃO E NOS PROBLEMAS DE AGÊNCIA: UM ESTUDO DE CASO. Iberoamerican Journal of Entrepreneurship and Small Business, 4(1), 152–168. https://doi.org/10.14211/regepe.v4i1.212