Ações De Sustentabilidade Financeira Em Empresas Da Microrregião De Pará De Minas E Cidades Circunvizinhas

Doge Palhares Júnior, Wendel Alex Castro Silva, Andreia de Oliveira Santos, Hudson Fernandes Amaral

Resumo


Objetivo: Examinar, por meio de ações empreendedoras, os aspectos de sustentabilidade financeira praticada nas empresas situadas na microrregião de Pará de Minas e cidades circunvizinhas, descrevendo e analisando as percepções dos gestores e proprietários desses negócios.

Método: Desenvolveu-se uma pesquisa quantitativa, descritiva, aplicando-se survey a 205 gestores e/ou proprietários. Foi utilizada a modelagem de equações estruturais via método PLS.

Originalidade/Relevância: Este estudo busca ampliar as investigações sobre a longevidade das empresas, principalmente no que se refere às ações empreendedoras de sustentabilidade financeira, realidade pouco evidenciada nas pequenas empresas.

Resultados: Sugere-se que embora proprietários e gestores de empresas tenham conhecimento das ferramentas administrativas de gestão, não as utilizam de forma correta, o que pôde ser observado em relação ao discurso desses gestores e proprietários versus prática, o que torna as empresas vulneráveis em relação à longevidade.

Contribuições teóricas/metodológicas: A experiência aliada a um controle financeiro e uma relação mais transparente da organização são elementos importantes para a longevidade de um negócio. Em tese, existem variáveis comportamentais que interferem diretamente na sustentabilidade financeira.


Palavras-chave


Comportamento Empreendedor; Longevidade Empresarial; Sustentabilidade Financeira

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Baradel, E. C., Martins, S. & Oliveira, A. R. (2010). Planejamento e controle financeiro-ação em uma microempresa varejista. Revista de Negócios, 15(4), 78-96. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/5683/planejamento-e-controle-financeiro--pesquisa-acao-em-uma-microempresa-varejista/i/pt-br. Acesso em: 02 nov. 2017.

Bennett M, James P. (1999). ISO 14031 and the future of environmental performance evaluation. In M., Bennett, P. James, & L. Klinkers (eds) Sustainable Measures : Evaluation and Reporting of Environmental and Social Performance, Greenleaf: Sheffield; 76-97.

Berle, A.A. & Means, G.C. The modern corporation and private property. London and New York: Routledge Taylor & Francis group.

Bessant, J., Lamming R.,Noke, H., & Phillips, W.( 2005) Managing innovation beyond the steady state. Technovation, v. 25, n. 12, p. 1366-1376, Dec 2005. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.technovation. Acesso em:12 mai. 2018

Borges, A.F. & Lima, J. B. (2012) O processo de construção da sucessão empreendedora em empresas familiares: um estudo multicaso. Revista de Empreendedorismo e Gestão e Pequenas Empresas, 1(1), 131-154. Disponível em: http://www.regepe.org.br/regepe/article/view/17. Acesso em: 15 nov. 2017.

Brown, J. D. (2001). Can we use Spearman-Brown prophecy formula to defend low reliability? Shiken: JALT Testing & Evaluation SIG Newsletter, 4(3), 7-11. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2018

Casillas , J. C., Vasquez, A. & Díaz, C.(2007). Gestão da empresa familiar: conceitos, casos e soluções. São Paulo: Thomson Learning.

Cervo, A. L. & Bervian, P. A. (2005). Metodologia Científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Chandler, A. (1962). Strategy and structure. Cambridge: M.I.T. Press.

Chin, W. W. (1998). The partial least squares approach to structural equation modeling. In G.A. Marcoulides, (ed.) Modern Methods for Business Research (pp.295-336). USA: Lawrence Erlbaum Associates Inc.

Claro, P. B. O., Claro, D. P. & Amâncio, R. (2008). Entendendo o conceito de sustentabilidade. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 43(4), 289-300. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/2234/223417504001.pdf. Acesso em: 20 nov. 2017.

Conway, G. R.(1986). Agroecosystem analysis for research and development. Bangkok: Winrock International.

Cooper, D.R. & Schindler, P.S. (2011). Métodos de Pesquisa em Administração. São Paulo: Bookman.

Dalfovo, M. S., Lana, R. A. & Silveira, A. (2008). Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, 2(4), 1- 13.

Della Bruna Jr., E., Ensslin, L., Ensslin, S. R., Lezana, A. G. R. & Garcia, J. R. (2012). Um diagnóstico empresarial sob a perspectiva do ciclo de vida organizacional e comportamento do empreendedor. Revista Gestão da Produção, Operações e Sistemas, 7(4), 25-41. Disponível em: revista.feb.unesp.br/index.php/gepros/article/download/536/461. Acesso em: 20 mar.2018.

Dolabela, F.(2003). Empreendedorismo, uma forma de ser: Saiba o que são empreendedores individuais e coletivos. Brasília: Agência de Educação para o Desenvolvimento.

Dornelas, J. C. A. (2005). Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier.

Dum, E. G., Arbuckle Jr., J.G. & Parada, M. R. C. (1998). Extending microfinaça approaches into the agricultural sector: a review of key concepts. Columbia: University of Missouri.

Enoque, A. G. & Borges, A. F. (2014). O espaço do domicílio como lócus da atividade empreendedora: um estudo sobre os empregadores e domiciliares no Brasil contemporâneo. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 3 (1), 105-128. Disponível em: http://www.regepe.org.br/regepe/article/view/78. Acesso em: 20 nov. 2017.

Ésther, A. B., Rodrigues, I. S., & Freire, E. S. (2012). A identidade empreendedora no contexto de empresas de pequeno porte. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 1(2), 90-116. Disponível em: http://www.regepe.org.br/regepe/article/view/24. Acesso em: 05 abr. 2018.

Ferreira, C. C. (2001). Fatores de administração que interferem na longevidade de organizações do setor de móveis da região metropolitana de Curitiba-PR. 2001. 133f. Dissertação de mestrado em Administração, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, S, Brasil.

Figge, F., Hahn, T., Schaltegger, S. & Wagner, M. (2002). The sustainbility balanced scorecard-linking sustainability management to business strategy. Business Strategy and the environment. 11(1), 269-284. Disponível em: https://doi.org/10.1002/bse.339. Acesso em: 08 mar. 2018.

Filion, L. J.(1999). Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração, 34(2), 6-28.

Financial Conduct Authority. (2014). The FCA’s regulatory approach to crowdfunding over the internet, and the promotion of non-readily realisable securities by other media—Feedback back to CP13/3 and final rules. Policy Statement (PS) 14/4. London: Financial Conduct Authority.

Florida, R. & Kenney, M. (1988). Venture capital-financed innovation and technological change in the USA. Research Policy, 17(3), 119-137. Disponível em: https://doi.org/10.1016/0048-7333(88)90038-8. Acesso em: 08 mar. 2018.

Fornell, C., & Larcker, D. F. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research, 18(1), 39-50. DOI: 10.2307/3151312. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/3151312. Acesso em: 20 mai.2018.

Freitas, E. C. & Barth, M. (2012). De pai para filho: a complexidade e os desafios da gestão das empresas familiares. Revista de Administração da UFSM, 5(3), 549-568.

Freitas, E. C. & Krai, L. C. (2010). Gestão organizacional em empresas familiares no Vale do Rio dos Sinos. REGE, 17(4), 387-402. Disponível em: www.revistas.usp.br/rege/article/view/36715. Acesso em: 08 mar. 2018.

Garcia, W. P. (2001). Desenvolvimento das famílias empresarias. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Gerber, M. E. (2004). Empreender: fazendo a diferença. São Paulo: Fundamento Educacional.

Geus, A. (2005). Curto prazo x longevidade. HSM Management, 1(48), 17-19

Hair Júnior, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Hart, S. L.(1997). Beyond greening: Strategies for a sustainable world. Harvard Business Review,75(1), 66-67. Disponível em: http://www.fusbp.com/wp-content/uploads/2010/07/Beyond-Greening-Strategies-for-a-Sustaina.pdf. Acesso em: 15 fev. 2018;

Hart, S. L.; Milstein, M. B.(2003). Creating sustainable value. Academy of Management Executive,17(2), 56-67. Disponível em: https://www.kuleuven.be/emeritiforum/em/Forumgesprekken/F1617/230217/creating-sustainable-value-stuart-l-hart-and-mark.pdf. Acesso em: 15 fev. 2018.

Hisrich, R. D.; Peters, M. P. & Shepherd, D. A. (2014). Empreendorismo. Porto Alegre: Bookman,

Holmes, T. J. & A. Schmitz Jr., J. A. (1990). A theory of entrepreneurship and its application to the study of business transfers. Journal of Political Economy, 98(2), 265-294. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/2937666. Acesso em: 02 nov. 2017.

Hurst, E. & Lusardi, A. (2004). Liquidity constraints, household wealth, and entrepreneurship. Journal of Political Economy, 112(2), 319-347. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/10.1086/381478. Acesso em: 02 nov. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE (2014). Cidades de Minas Gerais. Disponível em: http://cod.ibge.gov.br/3SZ. Acesso em: 2 nov. 2017

Lewis, V. L. & Churchill, N. C. (1983). The five stages of small business growth. Harvard Business Review, 61(3), 30-50. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/228315536_The_Five_Stages_of_Small_Business_Growth. Acesso em 15 fev. 2018.

Lezana, A. G. R. (2002). Informação verbal na disciplina de ciclo de vida das organizações e empreendedorismo. 2002. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Programa de pós graduação em Engenharia de Produção, UFSC. Florianópolis.

Lodi, J. B. (1993). A empresa familiar. São Paulo: Pioneira.

Martins, A., Maccari, E. A., Campanario, M. A. & Almeida, M. I. R.(2008). Empresa familiar e as dificuldades enfrentadas pelos membros da terceira geração. Revista de Ciências da Administração, 10(22), 30-54. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/adm/article/view/2175-8069.2008v10n22p30. Acesso em: 05 mar. 2018.

Matias, A. B.(2007). Finanças corporativas de longo prazo: criação de valor com sustentabilidade financeira. São Paulo: Atlas.

Mayfield, M., Mayfield, J., & Stephens, D. (2007). The relationship of generic strategy typing and organizational longevity: a preliminary analysis in the comic book industry using the Miles and Snow typology. Competitive Review: An International Business Journal, 17(1/2), 94-108. Disponível em: https://doi.org/10.1108/10595420710816641. Acesso em: 05 mar. 2018.

McClelland, D. C.(1961) The achievement society. Princeton, N. J.: Van Nostrand Co.

McClelland, D. (1971). The achievement motive in economic growth. In Quilby, P. Entrepreneurship and economic development. pp.144-163, New York: The Free Press.

McClelland, D. C. (1972). A sociedade competitiva: realização e progresso social. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura.

Montuori, L. A. (2000). Organizational longevity integrating systems thinking, learning and conceptual complexity. Journal of Organizational Change Management, 13(1), 61-73. Disponível em: https://doi.org/10.1108/09534810010310249. Acesso: 20 nov. 2017.

Moreira, H. S., Silva, W. A. C. & Moreira, M. A. (2017). Redes Interorganizacionais: a realidade dos pequenos supermercadistas da região metropolitana de Belo Horizonte. Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI, 4(2), 3-21, 2017. Disponível em: www.egepe.org.br/anais/tema09/75.pdf. Acesso em: 20 mai. 2018.

Oliveira, J. R. C., Silva, W. A. C., & Araújo, E. A. T. (2013). Longevidade empresarial e características empreendedoras: análise das MPE’s da microrregião de Teófilo Otoni/Minas Gerais/Brasil. Tourism & Management Studies, 9(2), 107-117. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2182-84582013000200016&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 20 nov. 2017.

Olivo, S. (2003). Como entender o mundo dos negócios: o empreendedor, a empresa, o mercado. Brasília : SEBRAE.

Otani, K. (1996). A human capital approach to entrepreneurial capacity.

Econômica, 63(250), 273-289. DOI: 10.2307/2554763. Disponível me: http://www.jstor.org/stable/2554763. Acesso em: 20 nov. 2017.

Palhares Júnior, D., Tomaz, C.M. & Silva, W.A.C. (2014). Estratégia Empresarial, Longevidade e Sustentabilidade Financeira: Estudo de Caso Supermercado em Pitangui-MG. Revista de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia, 1(2), 31-42. Disponível em: https://seer.imed.edu.br/index.php/revistasi/article/download/771/662. Acesso em: 20 nov. 2017.

Ramos Filho, A. C. (2000) Gestão de Pessoas em organizações sustentáveis. In ENANPAD, 20., 2000, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2000.

Roome, N.(1998). Sustainability strategies for industry: the future of corporate practice. Washington: Island Press

Santos, L. G., Drape, L. O., Dornelas,W., S. & Calvo, E.A. (2013). Longevidade na empresa familiar o desafio na sucessão empresarial. ETIC-Encontro de Iniciação Científica, 9(9), 1-5. Disponível em: intertemas.toledoprudente.edu.br/revista/index.php/ETIC/article/viewFile/.../3306. Acesso em: 02 nov. 2017.

Schaltegger, S., & Burritt, R. (2000). Contemporary environmental accounting: Issues, concepts and practice. Sheffield: Greenleaf.

Schumpeter, J. A. (1997). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas-SEBRAE (2013). Sobrevivência das empresas no Brasil. Brasília: Coleção estudos e pesquisas.

Shrivastava, P.& Hart, S. L.(1995). Creating sustainable corporations. Business Strategy and the Environment, 4(3), 154-165. Disponível em: https://doi.org/10.1002/bse.3280040307. Acesso em: 02 nov. 2017.

Silva, W. A. C., Jesus, D. K. A., & Melo, A. A. O. (2010). Ciclo de vida das organizações: Sinais de longevidade e mortalidade de micro e pequenas indústrias na região de Contagem – MG. Revista de Gestão, 17(3), 245-263. Disponível em: www.revistas.usp.br/rege/article/view/36706. Acesso em: 02 no.v 2017

Stanislavchik, E. (2010). Financial Sustainability and Financial Leverage. Financial Press.

Vasconcelos, A. M. & Lezana, Á. G. R. (2012). Modelo de ciclo de vida de empreendimentos sociais. Revista de Administração Pública, 46 (4),1037-1058. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122012000400007. Acesso em: 18 mar. 2018

Venturoli, T. (2004). Viver mais e melhor. Veja, São Paulo: abril, 1871, p. 96-104, set.

Vehkalahtin, K., Puntanen, S., & Tarkkonen, L. (2006). Estimation of reliability: a better alternative for Cronbach’s alpha. Reports in Mathematics. Finland: University of Helsinki

Tenenhaus, M., Amato, S., & Vinzi, V. E. (2004). A global goodness-of-Fit index for PLS structural equation modeling. Proceedings of the Atti della Riunione Scientifica della Società Italiana di Statistica,. 62. Roma: SIS. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/.../0d4ec08d6eb4721787c795c09... Acesso em: 08 mar. 2018.

Tenenhaus, M., Vinzi, V.E., Chatelin, Y. & Lauro, C. (2005). PLS Path Modeling. Computational Statistics & Data Analysis, 48 (1), 159-205. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.csda.2004.03.005. Acesso em: 08 mar. 2018.

Thornton, P.H. (1999) The sociology of entrepreneurship. Annual Review of Sociology, 25 (1), 19-46. DOI: 10.1016/S0733-558X(06)25001-8. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/241708497_The_Sociology_of_Entrepreneurship. Acesso em: 07 fev. 2018.

Triola, M. F. (2017). Elementary statistic. New York:Pearson

Zahra, S.A. (1993). Environment, corporate entrepreneuship, and financial performance: a taxonomic approach. Journal of Business Venturing, 8(4), 319-340. Disponível em: https://doi.org/10.1016/0883-9026(93)90003-N. Acesso em: 20 nov. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v8i3.1129

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1