Microempreendedores individuais e o desenvolvimento econômico nos municípios paulistas de 2010 a 2014

Lawton Nanni Benatti, Edimilson Eduardo da Silva, Leandro Campi Prearo

Resumo


Este artigo trata sobre a relação do total de Microempreendedores Individuais (MEI) nos diferentes quantis da distribuição condicional dos indicadores de desenvolvimento socioeconômico Produto Interno Bruto (PIB Municipal) e Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) dos municípios paulistas no período de 2010 a 2014, com uma amostra de 637 municípios. Para isso, foi utilizada a Regressão Quantílica, considerada a técnica estatística mais adequada para estimar os diferentes modelos em quantis. Na análise utilizou-se como variáveis dependentes o PIB e o IFDM e como variável independente o total de MEI´s existentes por município. Com foco nos diferentes quantis, a contribuição teórica do estudo permite observar a efetiva participação do MEI no desenvolvimento econômico, já que a literatura ainda apresenta lacunas com baixa produção acadêmica especialmente sobre a análise quantitativa da contribuição do MEI no desenvolvimento local. Observaram-se relações significativas em somente dois quantis. Duas hipóteses confirmadas foram limitadas a relação significativamente positiva do MEI´s em municípios de baixo e médio crescimento econômico. Sendo assim, os Microempreendedores Individuais (MEI) foram determinantes no PIB Per capita no quantil 50 e no quantil 25 do IFDM, em 2014. A regressão quantílica apresentou explicações consistentes tanto pela relação do total de MEI´s com o PIB e IFDM em 24 municípios, dentro de quantis específicos no ano de 2014 de médio e baixo desenvolvimento econômico. O estudo ainda contribui para estimular o poder público, através dos resultados apresentados, a desenvolver métodos para apoio ao desenvolvimento local através do fomento dos micro negócios combinando com outras ações.

Palavras-chave


Microempreendedores individuais; Regressão quantílica; Desenvolvimento econômico; Indicadores econômicos e sociais PIB e IFDM

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Almeida, F.M. de, Valadares, J.L. & Sediyama, G.A.S.(2017). A contribuição do empreendedorismo para o crescimento econômico dos Estados brasileiros. Regepe, 6(3), 466-494. http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v6i3.552

Amorós, J. E., Ciravegna, L., Mandakovic, V., & Stenholm, P. (2017). Necessity or opportunity? The effects of state fragility and economic development on entrepreneurial efforts. Entrepreneurship Theory and Practice, 00(0), 1-26. https://doi.org/10.1177/1042258717736857

Arantes, F.P., Freitag, M.S.B. & Santos, E.L.S. (2018). Improvisação e aprendizagem de empreendedores informais: a experiência de empreendedores feirantes. Regepe, 7(3), 30-57. https://doi.org/10.14211/regepe.v7i3.921

Barbosa, A.M. e S. & Orbem, J.V. (2015). “Pejotização”: precarização das relações de trabalho, das relações sociais e das relações humanas. RECDUFSM, 10(2), n.p. http://dx.doi.org/10.5902/1981369420184

Barros, A.A. de, & Pereira, C.M.M. de A. (2008). Empreendedorismo e crescimento econômico: uma análise empírica. Revista de Administração Contemporânea, 12(4), 975-993. https://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552008000400005

Bateman, M. (2000). Neo-liberalism, SME development and the role of Business Support Centres in the transition economies of Central and Eastern Europe. Small Business Economics, 14(4), 275–298. https://doi.org/10.1023/A:100817080

Benatti, L. (2016). As micro e pequenas empresas como instrumento de geração de emprego e renda na cidade de São Paulo. Dissertação de mestrado, Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, SP, Brasil.

Behling, G. & Lenzi, F.C. (2019). Entrepreneurial competencies and strategic behavior: a study of micro entrepreneurs in an emerging country. Brazilian Business Review, 16(3), 255-272. https://dx.doi.org/10.15728/bbr.2019.16.3.4

Borges Junior, C.V., Andreassi, T. & Nassif, V.M.J. (2017). (A falta de) indicadores de empreendedorismo no Brasil. Regepe, 6(3), editorial. http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v6i3.771

Buhai, S. (2004). Quantile regression: overview and selected applications. Ad-Astra-The Young Romanian Scientists Journal, 4(1), 1–20. Disponível em http://www2.dse.unibo.it/fort/files/quantile_regressions.pdf

Caldarelli, C.E. & Perdigão, C. (2018). A agroindústria canavieira e seus impactos socioeconômicos na região Centro-Sul do Brasil. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, 12(1), 35-50. Disponível em https://www.revistaaber.org.br/rberu/article/download/257/231

Campanha, L.J., De Lorenzo, H.C., Fonseca, S.A. & Oriani e Paulillo, L.F. de. (2017). Formulação e implementação, convergências e desvios: facetas da política pública do MicroEmpreendedor Individual (MEI) no plano local. Gestão & Produção, 24(3), 582-594. https://dx.doi.org/10.1590/0104-530x3896-16

Canever, M.D., Carraro, A., Kohls, V.K., & Teles, M.Y.O. (2010). Entrepreneurship in the Rio Grande do Sul, Brazil: the determinants and consequences for the municipal development. Revista de Economia e Sociologia Rural, 48(1), 85-108. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-20032010000100005

Cócaro, H., Cardoso, R.F., & Pereira, J.R. (2016). Territórios da Cidadania do estado de Mato Grosso: uma avaliação socioeconômica utilizando o índice FIRJAN. Interações (Campo Grande), 17(2), 193-209. https://dx.doi.org/10.20435/1984042X2016204

Das, K., Krzywinski, M., & Altman, N. (2019). Quantile regression. Nature Methods, 16(6), 451–452. https://doi.org/10.1038/s41592-019-0406-y

Elmedni, B., Christian, N., & Stone, C. (2018). Business improvement districts (BIDs): an economic development policy or a tool for gentrification. Cogent Business & Management, 5(1), 1502241. https://doi.org/10.1080/23311975.2018.1502241

Gondim, M. D., Rosa, M. P. da, & Pimenta, M. M. (2017). Crise versus empreendedorismo: Microempreendedor Individual (MEI) como alternativa para o desemprego na região petrolífera da Bacia de Campos e regiões circunvizinhas. Pensar Contábil (Rio de Janeiro), 19(70), 34–43. Disponível em http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-08/index.php/pensarcontabil/article/ viewFile/3274/2541

Hallak, J, & Ramos, R.O. (2014). A economia não observada no Brasil: um estudo baseado na metodologia do sistema de contas nacionais. Revista de Economia Contemporânea, 18(1), 31-55. https://dx.doi.org/10.1590/141598481812

Hao, L., & Naiman, D. Q. (1949). Quantile regression. 149.ed. Thousand Oaks, California: Sage Publications.

Holm, E. J. van. (2017). Makerspaces and local economic development. Economic Development Quarterly, 31(2), 164-173. https://doi.org/10.1177/0891242417690604

Houssou, N., & Zeller, M. (2011). To target or not to target? The costs, benefits, and impacts of indicator-based targeting. Food Policy, 36(5), 627–637. https://doi.org/10.1016/j.foodpol.2011.05.006

Houston, D. & Reuschke, D. (2017). City economies and microbusiness growth. Urban Studies 54(14), 3199–3217. https://doi.org/10.1177/0042098016680520

Karanina, E., Loginov, D., Vlasova, T., Zhangurazov, A. & Taskaeva, M. (2017). Monitoring of foreign experience development of small and medium business. Matec Web of Conferences, 106(08087), 1-8. https://doi.org/10.1051/matecconf/201710608087

Koenker, R., & Hallock, K. F. (2001). Quantile regression. Journal of Economic Perspectives, 15(4), 143–156. https://doi.org/10.1257/jep.15.4.143

Lei Complementar n. 128, de 19 de dezembro de 2008 (2008). Altera a Lei Complementar n. 123, de 14 de dezembro de 2006, altera as Leis ns. 8.212, de 24 de julho de 1991, 8.213, de 24 de julho de 1991, 10.406, de 10 de janeiro de 2002 – Código Civil, 8.029, de 12 de abril de 1990, e dá outras providências. Presidência da República. Brasília, DF, Casa Civil.

Macêdo, N.M.N. & Cândido, G.A. (2011). Índice de Desenvolvimento Sustentável Local e suas influências nas políticas públicas: um estudo exploratório no município de Alagoa Grande, PB. Gestão & Produção, 18(3), 619-632. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2011000300013

Marioni, L. da S., Vale, V. de A., Perobelli, F.S., & Freguglia, R. da S. (2016). Uma aplicação de regressão quantílica para dados em painel do PIB e do Pronaf. Revista de Economia e Sociologia Rural, 54(2), 221-242. https://dx.doi.org/10.1590/1234.56781806-947900540202

McFarland, C., & McConnell, J. K. (2012). Small business growth during a recession: local policy implications. Economic Development Quarterly, 27(2), 102-113. https://doi.org/10.1177/0891242412461174

Park, S.I. & Seo, J.H. (2018). Does strategic orientation fit all? The effects of strategic orientation on high versus low-performing SMEs. Asian Journal Technology Innovation, 1-16. https://doi.org/10.1080/19761597.2018.1547880

Poliatykina, L., & Samoshkina, I. (2018). Priority áreas of the small business activation. Baltic Journal of Economic Studies, 4(3), 228–234. https://doi.org/10.30525/2256-0742/2018-4-3-228-234

Sánchez-García, J. C., Vargas-Morúa, G. & Hernandez-Sánchez, B.R. (2018). Entrepreneurs’ well-being: a bibliometric review. Front.Psychol. 9(September), 1–19. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2018.01696

Santos, B. R. dos. (2012). Modelos de regressão quantílica. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Sawaya, A.L. (2006). Políticas públicas: pontos de método e experiências. Estudos Avançados, 20(56), 131-148. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142006000100010

Servon, L. J., Fairlie, R. W., Rastello, B., & Seely, A. (2010). The five gaps facing small and microbusiness Owners: evidence from New York City. Economic Development Quarterly, 24(2), 126-142. https://doi.org/10.1177/0891242409354899

Silva, E. N. da, & Porto Júnior, S. da S. (2006). Sistema financeiro e crescimento econômico: uma aplicação de regressão quantílica. Economia Aplicada, 10(3), 425–442. https://doi.org/10.1590/s1413-80502006000300007

Silva, W. A. C.; Fonseca, R. de F. & Santos, A. de O. (2016). Microbusiness development and quality of life of microentrepreneurs’s families. RAM, São Paulo, 17(4), 176–200. http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712016/administracao.v17n4p176-200.

Sweeney, D. J., Williams, T. A., & Anderson, D. R. (2013). Estatística aplicada à administração e economia. São Paulo, CENGAGE Learning.

Trinks, P. J., & Scholtens, B. (2017). The opportunity cost of negative screening in socially responsible investing. Journal of Business Ethics, 140(2), 193–208. https://doi.org/10.1007/s10551-015-2684-3

Vergara-Mesa, G.A., Ramírez-Reyes, J.C., Naranjo, S.S., & Carranza-Jiménez, J.T. (2017). Una estrategia de autosostenibilidad de bajo costo para pasar de la economía informal a la economía formal. El caso de la Comuna 10 de Cali, Colombia. Revista Científica General José María Córdova, 15(19), 201-214. https://dx.doi.org/10.21830/19006586.87

Vorobyeva, V. (2018). State support mechanisms of small and midsize business entities. Matec Web of Conferences, 170(01089), 1–5. https://doi.org/10.1051/matecconf/201817001089

Zvarych, O. (2017). Evaluation of small business influence on the economic development of the region. Baltic Journal of Economic Studies, 3(5), 151–156. http://dx.doi.org/10.30525/2256-0742/2017-3-5-151-156




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.e1676

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1