A Saga da Tink: Será a vez da Governança Corporativa?

Eleandra Maria Prigol Meneghini, Ana Paula Pereira dos Passos, Jeferson Lana

Resumo


Objetivo: promover a reflexão sobre os benefícios e os desafios do processo de implantação dos mecanismos e das práticas adequadas de governança corporativa em uma empresa multifamiliar. Método: o caso foi baseado em problemas reais de uma organização multifamiliar de capital fechado e, para a sua construção, foram desenvolvidas narrativas fictícias. Originalidade/relevância: empresas multifamiliares potencializam a existência de conflitos, em função da pluralidade de sócios frente à gestão e ao controle corporativo. Neste caso para ensino, são apresentados alguns desses dilemas, e como a governança corporativa pode os evitar, mitigar ou sanar, de forma a encontrar o alinhamento entre os sócios familiares. Resultados: conflitos de interesses e assimetrias de informação indicaram a necessidade de novas soluções para a continuidade dos negócios, dentre as quais, está a possibilidade de implantação dos mecanismos e de práticas adequadas de governança corporativa. Contribuições teóricas/metodológicas: espera-se que o aluno compreenda a necessidade de considerar, na tomada de decisão, os ganhos e as perdas inerentes às particularidades da organização, como a sua composição acionária, sua maturidade e a proteção do capital e da propriedade.


Palavras-chave


Empresa Multifamiliar; Conflitos de Interesse; Assimetria de Informação; Governança Corporativa; Casos para Ensino

Referências


Aguilera, R. V., & Cuervo-Cazurra, A. (2004). Codes of good governance worldwide: what is the trigger? Organization Studies, 25, 415-443.

Aguilera, R. V., Desender, K., Bednar, M. K., & Lee, J. H. (2015). Connecting the Dots – bringing external corporate governance into the corporate governance puzzle. The Academy of Management Annals, 9(1), 483-573.

Azoury, N., & Bouri, E. (2015). Principal-principal conflicts in Lebanese unlisted family firms. Journal of Management & Governance, 19(2), 461-493.

Bertucci, J. L. O., Campos, E. Á. S., Pimentel, T. D., & Pereira, R. D. (2009). Mecanismos de Governança e Processos de Sucessão: um estudo sobre a influência dos elementos da governança corporativa na orientação do processo sucessório em uma empresa familiar. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 11(31), 152-167.

Bornholdt, W. (2005). Governança na empresa familiar: implementação e prática. Porto Alegre: Bookman.

Denis, D. K., & McConnell, J. J. (2003). International corporate governance. Journal of financial and quantitative analysis, 38(1), 1-36.

Eisenhardt, K. M. (1989). Agency theory: An assessment and review. Academy of Management Review, 14(1), 57-74.

Fama, E. F., & Jensen, M. C. (1983). Separation of ownership and control. Journal of Law and Economics, 26, 301-325.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2014). Caderno de Boas Práticas de Governança Corporativa Para Empresas de Capital Fechado: um guia para sociedades limitadas e sociedades por ações fechadas. São Paulo: IBGC.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa (5. ed.). São Paulo: IBGC.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2016). Governança da família empresária: conceitos básicos, desafios e recomendações. São Paulo: IBGC.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (2008). Teoria da firma: comportamento dos administradores, custos de agência e estrutura de propriedade. Revista de Administração de Empresas, 48(2), 87-125.

Jiang, Y., & Peng, M. W. (2011). Principal-principal conflicts during crisis. Asia Pacific Journal of Management, 28(4), 683-695.

Michiels, A., Voordeckers, W., Lybaert, N., & Steijvers, T. (2015). Dividends and family governance practices in private family firms. Small Business Economics, 44(2), 299-314.

Moraes Filho, A. C. T., Barone, F. M., & de Oliveira Pinto, M. (2011). A produção científica em empresas familiares: um enfoque conceitual. Revista de Administração Pública, 45(6), 1971-1991.

Saam, N. J. (2007). Asymmetry in information versus asymmetry in power: Implicit assumptions of agency theory? The Journal of Socio-Economics, 36(6), 825-840.

Saito, R., & Silveira, A. D. M. (2008). Governança corporativa: custos de agência e estrutura de propriedade. Revista de Administração de Empresas, 48(2), 79-86.

Walsh, J. P., & Seward, J. K. (1990). On the efficiency of internal and external corporate control mechanisms. Academy of Management Review, 15(3), 421-458.

Young, M. N., Peng, M. W., Ahlstrom, D., Bruton, G. D., & Jiang, Y. (2008). Corporate governance in emerging economies: A review of the principal-principal perspective. Journal of Management Studies, 45(1), 196-220.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v10i1.1850

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1